Abandono de Osaka ofuscou regresso de Federer

Carlos Alcaraz, recém vencedor do Challenger 125 no Jamor, tornou-se no mais jovem a ganhar em Roland Garros desde 2005.

Foto
Roger Federer LUSA/YOAN VALAT

No comunicado divulgado ao fim da tarde desta segunda-feira, Naomi Osaka lamentou o momento do anúncio da sua desistência do Torneio de Roland Garros, dizendo mesmo não querer ser uma distracção para o evento, mas a verdade é que, ao admitir que tem vivido momentos de depressão e de grande ansiedade antes de falar com a comunicação social, colocou o assunto da saúde mental dos tenistas em primeiro plano. Menos importante foi o que se passou nos courts de Roland Garros, como por exemplo, o regresso de Roger Federer aos torneios do Grand Slam.

“Aqui em Paris, estava já a sentir-me vulnerável e ansiosa, por isso, foi melhor tomar conta de mim e faltar às conferências”, afirmou Osaka que, no domingo, tinha ganho a primeira eliminatória do torneio. “Vou passar algum tempo longe do court, mas quando for o momento certo, quero mesmo trabalhar com o Tour para discutir formas de melhorar as coisas para os jogadores, imprensa e fãs”, frisou a japonesa, detentora de quatro títulos do Grand Slam e a mais bem paga atleta feminina em 2020, com receitas (prize-money + patrocínios) que ultrapassaram os 30 milhões de euros.

Antes, Federer assinalou o regresso a Roland Garros – o que não acontecia desde 2019 – com uma vitória inequívoca sobre Denis Istomin (204.º). Aos 39 anos, o suíço não deu sinal de estar velho e fechou a ronda inicial em 93 minutos: 6-2, 6-4 e 6-3. “Precisava de muita reabilitação e treino para recuperar da minha lesão”, afirmou Federer, justificando o tempo afastado dos courts, após as artroscopias ao joelho direito em Fevereiro e Maio de 2020. Na segunda ronda, o suíço vai defrontar Marin Cilic, a quem venceu na final do Open da Austrália de 2018, o seu 20.º e último título do Grand Slam.

Quanto ao número dois no ranking, Daniil Medvedev, que nunca tinha ganho um encontro nas quatro visitas anteriores a Roland Garros e chegou a Paris com somente uma vitória em toda a época de terra batida, venceu o cazaque Alexander Bublik (37.º), por 6-3, 6-3 e 7-5. Bublik lidera a tabela de maior número de ases em 2021, com 381, pode ser um maior perigo na época de relva que aí vem.

Em destaque estiveram igualmente os três teenagers que integram o top 100 do ranking ATP. O italiano Jannik Sinner, 19.º mundial, começou bem frente a Pierre-Hugues Herbert (85.º), mas o francês optou por um ténis bastante ofensivo e variado e dispôs de um match-point a 5-4 do quarto set. Frustrado com o erro cometido nesse ponto, Herbert baixou de nível e viu Sinner vencer, por 6-1, 4-6, 6-7 (4/7), 7-5 e 6-4, em três horas e meia. Também italiano e de 19 anos, Lorenzo Musetti (76.º) eliminou um irreconhecível David Goffin (13.º), por 6-0, 7-5 e 7-6 (9/7).

Já Carlos Alcaraz (97.º), tornou-se aos 18 e 26 dias no mais jovem a ganhar no quadro principal do Grand Slam francês desde Novak Djokovic, em 2005. O campeão do ATP Challenger 125 realizado há duas semanas no Jamor recuperou de um break de desvantagem no quarto set para vencer o também espanhol Bernabe Zapata Miralles (128.º), por 6-3, 2-6, 6-1 e 7-6 (7/4). Alcaraz é também o mais jovem espanhol a vencer um encontro em Roland Garros na Era Open (desde 1968).

João Sousa afastado por Taylor Fritz

Eliminado ficou João Sousa (114.º), ao perder com o melhor tenista dos EUA no ranking mundial, Taylor Fritz (33.º), por 6-4, 6-2 e 6-4 – a sua quinta derrota consecutiva em primeiras rondas de Grand Slams. No primeiro jogo em que teve oportunidade, o tenista português conseguiu quebrar o serviço do norte-americano, quando Fritz serviu para fechar o encontro, a 5-3, mas viria a capitular totalmente no jogo seguinte, ao ceder um quinto break, em branco.

No torneio feminino, a detentora do título, Iga Swiatek (9.ª) assinalou o seu 20.º aniversário, vencendo a amiga eslovena Kaja Juvan (101.ª), por 6-0, 7-5. E na primeira sessão nocturna oficial na história de Roland Garros – e perante as bancadas vazias pois devido ao recolhimento obrigatório em Paris, os adeptos têm que sair até 20h45 – Serena Williams (8.ª) salvou dois set-points diante da romena Irina-Camila Begu (74.ª), antes de concluir com os parciais de 7-6 (8/6), 6-2. A norte-americana de 39 anos, que chegou a Paris com apenas uma vitória em três encontros realizados na terra batida, igualou Federer no número de encontros ganhos em torneios do Grand Slam: 363.

No embate entre duas campeãs do Grand Slam, Sofia Kenin venceu Jelena Ostapenko (44.ª), por 6-4, 4-6 e 6-3. Kenin, vencedora do Open da Austrália e finalista aqui no ano passado, obteve a primeira vitória do ano sobre terra batida, ao aproveitar os 48 erros não foçados da campeã de 2017.