Párias por efeito do complexo da pequenez

Tanto como a mentira da bolha de segurança, a subserviência ante a UEFA, a corrosão da autoridade do Estado ou o descontrolo e a indecisão, o complexo de pequenez face à final europeia causa um dano grave. Quem for rico e vier de fora fica imune à situação de calamidade.

Os britânicos voltaram a gozar de privilégios no Porto que se julgavam extintos há séculos. Como outrora, tiveram por estes dias direito a leis exclusivas e a estatutos de excepção. Puderam fazer o que os indígenas não podem, como reunir-se aos magotes com cerveja na mão, assistir a um jogo de futebol ao vivo, deambular em hordas pela rua e, aqui e a ali, dar largas ao mau feitio estimulado pelo álcool. Tinham prometido que nada disto aconteceria, que eles viriam e iriam numa bolha de segurança, que teriam os movimentos condicionados por “fanzones”, que haveria a garantia de que todos tinham feito testes e seriam acompanhados. Era mentira.