Desirée Vila perdeu uma perna aos 16 anos, mas voará para aterrar nos Jogos Paralímpicos

A atleta espanhola foi vítima de negligência médica, após uma lesão nos treinos de ginástica acrobática, em 2015. Perdeu uma perna, mas nem por isso esqueceu o desporto. Treina, agora, para os Jogos Paralímpicos, nas modalidades de salto em comprimento e 100 metros.

Foto
Desirée Vila

Quando, aos 16 anos, recebeu a notícia de que teria de amputar a perna direita, o medo dominou-a. Tinha perguntas sobre viver com diversidade funcional a que ninguém sabia responder e pensou desistir do desporto, quando percebeu que teria de abandonar a modalidade que praticava, ginástica acrobática.

Um ano depois do acidente, em 2016, quando já se sentia melhor, assistiu, pela primeira vez, à transmissão dos Jogos Paralímpicos, e entusiasmou-se. “Não pensei dedicar-me ao atletismo, mas nasceu uma curiosidade pelo desporto adaptado, pensei que, talvez um dia, também conseguisse praticá-lo”, disse Desirée Vila, citada pela edição espanhola da revista Women’s Health.

Desirée Vila
Desirée Vila
Desirée Vila
Desirée Vila
Desirée Vila
Desirée Vila
Fotogaleria
Desirée Vila

Experimentou natação, ténis de mesa em cadeira de rodas e basquetebol, para tentar compensar as saudades que sentia da ginástica acrobática. “Precisava da adrenalina da competição, de levar o meu corpo ao limite, de ter um treinador e um plano”, explicou ao El País.

Optar pelo atletismo foi, na verdade, um acaso. Na sua clínica de ortopedia falaram-lhe de uma prótese utilizada para correr, e sugeriram que a experimentasse. “Quando comecei, corria mal. Fazia dez metros e tropeçava ou ficava cansada. Mas os meus pais estavam muito entusiasmados, gravavam vídeos meus e publicavam-nos no Facebook”, contou à Women’s Health. “Foi assim que a Federação Espanhola de Desporto para Pessoas com Deficiência me descobriu.”

Aos 22 anos, Desirée Vila é uma das melhores atletas do mundo na sua categoria de salto em comprimento. Detém o recorde espanhol de salto em comprimento (4,17 metros) e 100 metros (16,97 segundos) e conseguir atingir as marcas mínimas para participar nos Jogos Paralímpicos de Tóquio. Além disso, estuda Relações Internacionais na universidade e, entre treinos e aulas, escreveu o livro A única coisa incurável é a vontade de viver, e dá palestras a empresas.

“Sinto-me muito sortuda. Não trocaria a minha vida de agora pela que tinha antes, não trocaria tudo o que aprendi. Acho que, apesar de todo o mal que aconteceu comigo, tive muita sorte”, garante, em entrevista ao jornal desportivo Marca. “Sou feliz por ter passado por esta situação – que me poderia ter destruído – porque me ajudou a relativizar e perceber o que é verdadeiramente importante na vida.”

Hoje, Desirée fala do acidente de 2015 de forma leve, positiva e, até, com algum humor. “Olá a todos! Sou a Desirée e falta-me um pé” é como abre todos os vídeos do seu popular canal de YouTube, onde faz vlogs e fala sobre desporto e diversidade funcional. Os vídeos mais vistos explicam a história da amputação da própria perna e como funcionam as próteses que usa.

“Não vejo a amputação como algo mau”

Desirée, então com 16 anos, treinava para o Europeu de Ginástica Acrobática quando fez uma fractura na tíbia e no perónio, na perna direita. Conforme determinado em tribunal, este acidente resultou num acto de negligência médica, que a obrigou a amputar a perna.

“Não vejo a amputação como algo mau, trouxe-me mais coisas boas do que más, muitas oportunidades. Se não fosse ela, não estaria a preparar-me para os Jogos, porque a ginástica acrobática, o desporto que praticava, não era olímpica”, explicou, citada pelo jornal Marca. “Nem treinaria no Centro de Alto Rendimento de Madrid, nem seria embaixadora de marcas”, acrescenta.

Desirée fez a sua estreia internacional no Campeonato da Europa de Atletismo de 2018 e participou, pela primeira vez, num campeonato mundial no Dubai, em 2019. Compete em salto em comprimento e velocidade porque, diz, se completam, apesar de preferir a modalidade de salto em comprimento.

Desirée Vila
Desirée Vila
Desirée Vila
Desirée Vila
Desirée Vila
Desirée Vila
Fotogaleria
Desirée Vila

Habitualmente, treina no Centro de Alto Rendimento de Madrid, com atletas que praticam desporto não adaptado. Durante os meses de confinamento a que a pandemia obrigou, treinou em casa, onde, reconhece, a preparação física não poderá ser a mesma.

Agora, o seu primeiro objectivo é o Campeonato Europeu de Atletismo Adaptado em Bydgoszcz, que se realizará em Junho, na Polónia. Pensará, depois, nos Jogos Paralímpicos, em Agosto. Caso sejam, de novo, adiados, estará pronta para esperar e continuar a treinar por mais anos. “O importante é continuar motivada”, afirma, em entrevista à Women’s Health.

“Quando voltei a encontrar o meu caminho e uma nova motivação, o atletismo, voltei a nascer”, disse ao jornal Marca. “Fez com que recuperasse a esperança e ganhasse um novo propósito para a minha vida nos próximos anos.”