Amorim: “Castigo? É tão claro que mais vale não dizer nada”

Técnico do Sporting sem comentários sobre mais uma punição que o afasta do banco no jogo com o Rio Ave desta quarta-feira.

Foto
Amorim vai cumprir o sétimo jogo de castigo LUSA/MÁRIO CRUZ

A notícia chegou pela manhã. Rúben Amorim foi condenado a mais seis dias de suspensão por parte do Conselho de Disciplina da Federação Portuguesa de Futebol, um castigo respeitante a palavras que terão sido proferidas no jogo da primeira volta entre Sporting e FC Porto em Outubro do ano passado.

O castigo afasta Amorim do jogo com o Rio Ave desta quarta-feira, em Vila do Conde, e eleva para sete o número dos jogos em que o treinador não foi para o banco, cumprindo um total de 42 dias de suspensão. Confrontado com mais este castigo, Amorim, preferiu não o comentar, mas o seu “sem comentários” não foi totalmente inócuo.

“Não vou comentar. É tão claro que mais vale não dizer nada, a única maneira de responder é ganhar os jogos. O que temos de fazer é focar no jogo e em vencer. O foco tem de ser esse, pensar no Rio Ave, como é que vamos ganhar, como é que os vamos bloquear, e como é que vamos fazer golos. Temos condições para vencer o Rio Ave com ou sem o treinador no banco. A maior dificuldade vai ser para o Adélio Cândido [adjunto], ele pensava que estava livre dessa situação”, reforçou Amorim nesta terça-feira em conferência de imprensa de antecipação do jogo em que o líder do campeonato vai a Vila do Conde defrontar o Rio Ave.

Sem falar do “clássico” entre FC Porto e Benfica que pode empurrar o Sporting para o título, Amorim prefere focar-se no objectivo que pode garantir já nesta quarta-feira, a qualificação para a Liga dos Campeões. “Queremos garantir a Champions, é o que podemos garantir já”, garantiu.

Para garantir um dos dois primeiros lugares da liga, o Sporting terá de bater o Rio Ave, que esta época já empatou em Alvalade na primeira volta, mas que é uma equipa diferente da desse jogo e que tem qualidade, alerta o técnico “leonino”: “É uma equipa com valores acima da posição em que estão, o Mané, o Geraldes, o Dala, o Tarantini, o Felipe Augusto. O [treinador] Miguel Cardoso tem uma ideia positiva, muito vincada, tem qualidade com bola, sabemos que vai ser difícil, mas estamos preparados, queremos fazer mais golos e descansar os adeptos mais cedo.”

“O Sporting deve continuar a fazer o que tem feito. Rematamos mais agora e temos mais oportunidades. Temos de ser intensos, sabemos que eles têm muita qualidade. A grande diferença está aí, temos de fazer mais golos, e não sofrer”, assinalou Amorim, que, para além de Tiago Tomás e Tabata, não terá Pedro Porro, de fora das opções para Vila do Conde.

Jovane Cabral foi a grande figura dos “leões” na vitória frente ao Nacional no passado sábado, com golo e assistência depois de ter entrado no decorrer da segunda parte. Amorim não esclarece se o cabo-verdiano é a sua arma secreta para jogos difíceis, mas garante que sempre confiou nele.

“Quando chegámos era sempre titular, e começou a época a titular. Tem sido muito importante, acredito no Jovane desde o princípio. Olho para os meus jogadores e acredito neles da mesma maneira. Conheço-o bem e sei o que ele pode dar, eu acredito no Jovane na mesma forma no Tiago Tomás ou no Paulinho.”

Amorim deixou ainda palavras altamente elogiosas ao futsal do Sporting e a conquista europeia desta segunda-feira, com o triunfo na final da Liga dos Campeões frente ao Barcelona. “Vi com o meu tio, que, até eu vir para aqui, era o único sportinguista da família. Vimos juntos. O Nuno Dias [treinador da equipa de futsal] não facilita a vida a ninguém quando forem os prémios de treinador do ano. Podiam era suspender o Nuno Dias para facilitar a vida aos outros treinadores do Sporting”, brincou Amorim, antes de considerar o futsal “leonino” como um exemplo a seguir: “O Sporting tem grandes equipas. O futsal é a grande imagem do clube e obviamente que nos inspira. Queremos chegar a esse patamar, são claramente a grande equipa do nosso clube.”