Sp. Braga regressa às vitórias e dorme no pódio

Boavista esteve em vantagem, mas depois da expulsão de Porozo a formação da casa operou a reviravolta e ultrapassou provisoriamente o Benfica na tabela classificativa.

Foto
Fransérgio (Sp. Braga) e Rami (Boavista) em duelo intenso LUSA/HUGO DELGADO

O Sp. Braga regressou esta quarta-feira às vitórias na Liga, batendo o Boavista por 2-1 em partida da 28.ª jornada, disputada em Braga, que coloca a formação minhota provisoriamente no terceiro lugar do campeonato, com 58 pontos, por troca com o Benfica (57), que tem um jogo a menos.

Fransérgio (39') e Sporar (82') deram a volta ao marcador depois de Sebastián Pérez (28') ter dado vantagem aos visitantes, que, apesar da exibição do guarda-redes Léo Jardim, não resistiram numa segunda parte em que ficaram reduzidos a dez elementos por expulsão de Porozo (54').

O Boavista suportou o assédio inicial dos bracarenses, que depois de dois empates consecutivos precisavam de aumentar a pressão sobre o Benfica na luta pelo terceiro lugar, e marcou mesmo na segunda investida às redes de Matheus.

O colombiano Sebastián Pérez aproveitou um alívio para a zona frontal da área “arsenalista” para bater o guarda-redes dos minhotos, traído pelo remate inesperado, pelo relvado e possivelmente por não ter visto a bola partir.

O brasileiro deixou a ideia de não ter feito tudo o que estava ao seu alcance, deixando a bola passar por baixo da mão esquerda. Os “axadrezados”, ameaçados por Farense e Marítimo, estavam na frente, justificando o melhor momento na Liga, com duas vitórias e um empate nos últimos três jogos.

Mas o Sp. Braga reagiu e Fransérgio (39’) igualou num cabeceamento fulminante, a cruzamento de Gaitán, levando o jogo empatado para o intervalo.

A ineficácia do Sp. Braga penalizava a equipa de Carlos Carvalhal, que regressava a todo o vapor depois do descanso, com Gaitán a cair na área do Boavista logo no recomeço e o árbitro a assinalar um penálti que o VAR aconselhou a rever. O penálti acabou por ser transformado num livre à entrada da área, uma vez que Porozo agarrou Gaitán antes de o argentino penetrar na zona de rigor.

Mas o lance acabaria por ter consequências disciplinares, com Jackson Porozo a ver dois amarelos no espaço de sete minutos, deixando as “panteras” em inferioridade e fragilizadas perante o intensificar das acções ofensivas do Sp. Braga. 

Raul Silva, Ricardo Horta e Abel Ruíz desperdiçaram oportunidades flagrantes e por pouco não pagaram caro o desacerto, com Alberth Elis a ficar a centímetros de colocar o Boavista de novo em vantagem.

O jogo caminhava para o fim e Léo Jardim segurava o ponto com defesas impressionantes, negando o golo a João Novais e a Ricardo Horta à entrada dos últimos dez minutos, altura em que fez tudo para evitar novo golo de Fransérgio, mas não conseguiu travar a recarga de Sporar (82').

Até final, o Sp. Braga controlou o jogo, viu Léo Jardim fazer uma última defesa e embolsou os três pontos, que garantem pelo menos uma noite no terceiro lugar.