Suzana Garcia - candidata da castração barata apoiada por Rio

Suzana Garcia é um produto televisivo, atira o que sai boca, sem contraditório, num país que lê muito pouco e fica pendurado na televisão feito basbaque. Tornou-se candidata de um PSD sem rumo em contraciclo consigo próprio.

À falta de ideias no panorama atual há quem procure candidaturas municipais em figuras que se tornaram públicas por aparecerem amiúde nas televisões. Os programas eleitorais são substituídos por slogans e frases impactantes sobre a miséria da política e o resto advirá da diferença entre o vil anonimato e a existência no Olimpo dos famosos que é televisão. Outrora as divindades eram milagrosas, atualmente pedem milagres de audiência e muitas vezes o voto que as consagre no que antes consideravam o horror dos horrores - a política.

O PSD descobriu a famosa Suzana Garcia para candidata a presidente do município da Amadora, o quarto mais populoso do país com 177.407 habitantes em 2016. O PSD conduzido por Rui Rio que negociou com o Chega o governo açoriano provavelmente inspirado pelas sondagens que dão avanços eleitorais ao Chega foi em busca desse espaço para o tentar retirar a André Ventura.

É a fama da candidata que faz mover Rui Rio em busca do tempo perdido para responder às sondagens que dão a Costa o tempo ganho.

Suzana Garcia, apesar de ser advogada, tem um conceito deveras bizarro (tendo em conta a sua profissão) da defesa dos cidadãos ...”Quem defende um delinquente, delinquente é, salvo quando está no exercício das suas funções, eu não o faço”... Delinquir é uma conduta que vai desde práticas de diferentes tipos de transgressões e violações da lei desde as menos graves até às gravíssimas. Só à luz da mais básica exploração populista pode ser entendida esta atoarda tão cara à extrema-direita. As pessoas de bem a diabolizar as que consideram de mal.

Sobre a castração química: “... É a mais segura. As taxas de reincidência são 2% a 5%. Inclusivamente, é mais barato...” Sobre as prisões: “…são um antro de gente abjeta e que é toda inocente. Mesmo com as melhores políticas de socialização, ninguém sai das cadeias melhor de aquilo que entrou...”

Suzana Garcia despreza o que aprendeu no Direito Penal sobre a reinserção social, dá como perdidos todos os presos e declara - da cadeia onde toda aquela gente é abjeta e inocente ninguém sai melhor, só pior. Gente abjeta? Então o seu colega de candidatura em Oeiras era abjeto? Saiu pior? Como podem os militantes do PSD defensores do Estado de Direito democrático aceitarem esta vilania?

É este populismo de extrema-direita que defende a castração química porque fica mais barato que Rui Rio, o moralista de serviço, foi buscar para candidata a presidente do município da Amadora.

Suzana Garcia é um produto televisivo, atira o que sai boca, sem contraditório, num país que lê muito pouco e fica pendurado na televisão feito basbaque. Tornou-se candidata de um PSD sem rumo em contraciclo consigo próprio (em Oeiras não apresenta candidato), em Gaia é um homem do futebol...

Pode o PSD passar a utilizar por intermédio de quem o representa a nível municipal os “argumentos” mais primários, básicos, falsos, cruéis acerca das complexidades e dificuldades das sociedades atuais para ganhar votos com gente que propagandeia ideias e preconceitos tremendamente retrógrados que apagam pelo menos um século de História? Rio acha que sim.

O autor escreve segundo o novo acordo ortográfico