Portugal deu a volta à Espanha e continua na luta pelo Mundial

A selecção portuguesa de râguebi somou neste sábado a primeira vitória no Rugby Europe Championship 2021.

rugby-championship,modalidades,desporto,raguebi,
Fotogaleria
Miguel Carmo
rugby-championship,modalidades,desporto,raguebi,
Fotogaleria
Luis Cabelo
rugby-championship,modalidades,desporto,raguebi,
Fotogaleria
Miguel Carmo
rugby-championship,modalidades,desporto,raguebi,
Fotogaleria
Miguel Carmo
,Rúgbi de sete
Fotogaleria
Miguel Carmo
,Liga de Rugby
Fotogaleria
Miguel Carmo
,Liga de Rugby
Fotogaleria
Miguel Carmo

Aos 16 minutos, o duelo ibérico parecia um pesadelo para a selecção portuguesa de râguebi, mas o terceiro jogo de Portugal no Rugby Europe Championship (REC) 2021, competição que serve de apuramento para o Mundial 2023, terminou com uma importante e saborosa vitória dos “lobos” contra a Espanha. No Jamor, os espanhóis dominaram por completo o início da partida e rapidamente marcaram dois ensaios, mas o “XV” português soube recompor-se e garantir um triunfo vital, por números claros: 43-28.

Duas semanas depois de deixar escapar contra a Roménia na “bola de jogo” uma vitória que seria importantíssima na luta por um lugar no Mundial de França em 2023, Portugal regressou ao Jamor para disputar um duelo ibérico que era quase uma “final” para portugueses e espanhóis.

Derrotados nas duas primeiras jornadas, Portugal e Espanha ficariam, em caso de novo desaire, numa posição de risco no REC 2021 (o último classificado é despromovido em 2022 ao Rugby Europe Trophy) e, apesar da exibição pouco convincente contra os romenos, o seleccionador português Patrice Lagisquet fez apenas três alterações no “XV” nacional.

Com uma dezena de jogadores importantes fora dos convocados desde o início da qualificação - Manuel Cardoso Pinto, David Wallis, António Cortes, José Vareta, José Rodrigues, Pedro Bettencourt, Rodrigo Freudenthal, Luigi Dias, Thibault de Sousa e Valentin Ambrósio -, o técnico francês substituiu os avançados Francisco Fernandes por Geoffrey Moise e Rebelo de Andrade por Eric dos Santos, enquanto nas linhas atrasadas Nuno Sousa Guedes jogou a defesa, relegando Dany Antunes para o banco.

E o início da partida fez prever mais um confronto perdido no duelo entre “packs”. Tal como tinham feito a Geórgia e a Roménia, a Espanha explorou na perfeição nos primeiros 16 minutos as debilidades de Portugal em travar os “mauls” dos rivais para marcar dois ensaios e colocar dois jogadores lusos fora do relvado por dez minutos com cartões amarelos.

A perder por 0-14 e inferioridade numérica, a equipa comandada por Lagisquet parecia encaminhar-se para uma inevitável derrota, mas, num ápice, o jogo mudou por completo. Assumindo o domínio territorial, Portugal começou a fugir ao confronto entre avançados e, colocando a bola nas linhas-atrasadas, foi conquistando terreno.

Assim, confirmando o ascendente português, Rafael Simões fez o primeiro ensaio dos “lobos” aos 28’ (7-14), mas, oito minutos depois, numa boa fase de Portugal, a Espanha circulou bem a bola de um lado ao outro do campo e marcou o terceiro ensaio, recolocando a diferença em 14 pontos (7-21).

No entanto, o “XV” nacional estava claramente por cima e, ainda antes do intervalo, Nuno Sousa Guedes fez um slalom à sua imagem, desequilibrou por completo a defesa espanhola e ofereceu a Jerónimo o ensaio. Na “bola de jogo” da primeira parte, Portugal reentrava na discussão pela vitória: 14-21.

Depois de um arranque desastroso, entrar para a segunda parte à distância da Espanha de apenas um ensaio convertido (sete pontos) era um excelente incentivo para os portugueses, mas o arranque dos últimos 40 minutos trouxe mais boas notícias para os “lobos”: aos 46’, um grande passe de Portela ao pé terminou em ensaio de Rodrigo Marta; aos 49’, o ponta espanhol Fabien Perrin placou Portela de forma perigosa no ar e foi expulso.

Com empate no marcador (21-21) e vantagem numérica até ao final, Portugal precisava de manter a qualidade e de ter cabeça fria para aproveitar os espaços que iriam surgir. E foi isso que os jogadores nacionais fizeram.

Aos 54’, Samuel Marques, que voltou a pautar com muita qualidade o ritmo de jogo português, assistiu Storti (28-21) e, quase de seguida, um amarelo para o “15” espanhol deixou Portugal com mais dois jogadores em campo durante 10 minutos.

Na sequência da falta, Marques marcou a penalidade (31-21) e, seis minutos depois, a bola circulou bem entre as linhas-atrasadas, e Storti assistiu Samuel Marques para o quinto ensaio português (38-21).

Mesmo com menos um atleta, a Espanha a oito minutos do fim encontrou espaço para criar várias fases e marcar ensaio (38-28), mas, no último minuto, o pilar Francisco Fernandes surgiu entre os três-quartos dos “lobos” e acabou com as esperanças espanholas: 43-28.

Com esta vitória, os “lobos” ascendem ao terceiro lugar do REC 2021 com cinco pontos, menos nove do que a Geórgia e menos quatro do que a Roménia. No quarto lugar está a Rússia, com quatro pontos, enquanto a Espanha tem apenas dois.

A sexta selecção da prova será a Bélgica (última classificada do Rugby Europe Championship 2020) e a Holanda (vencedor do Rugby Trophy Championship 2020), que ainda se vão defrontar num play-off em solo belga para decidir quem disputa a divisão máxima das competições organizadas pela Rugby Europe.

O quarto jogo do “XV” luso na prova será fora, a 10 ou 11 de Julho, contra o vencedor do play-off  e a derradeira partida será na semana seguinte, na Rússia.

O somatório da pontuação do REC 2021 e 2022 garantirá aos dois primeiros classificados o apuramento directo para o Mundial 2023. O terceiro classificado terá a oportunidade de disputar uma fase de repescagem.

Foto