Marcelo vai convidar Lídia Jorge para o Conselho de Estado

A romancista ocupará o lugar deixado em aberto pelo escritor e ensaísta Eduardo Lourenço, falecido em Dezembro.

Foto
Rui Gaudencio

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, vai convidar a escritora Lídia Jorge para integrar o Conselho de Estado. A notícia avançada ontem pelo Diário de Notícias foi confirmada pelo PÚBLICO junto de fonte oficial de Belém, que explicou que Marcelo quis escolher “um intelectual, grande figura da cultura portuguesa e que fosse mulher”. 

O objectivo é que a escritora portuguesa ocupe o lugar que foi deixado em aberto pelo ensaísta, professor e filósofo Eduardo Lourenço, que morreu em Dezembro de 2020. Aos 74 anos, Lídia Jorge é autora de uma obra ficcional que passa em revista a história recente de Portugal desde os últimos anos do Estado Novo às alegrias e desilusões com o regime democrático. 

O actual Presidente, reeleito com 60% nas eleições de Janeiro, vai tomar posse para um segundo mandato na terça-feira e, como tal, tem que voltar a formar novo Conselho de Estado. Todos os membros se mantêm (os inerentes e os por nomeação directa), sendo Lídia Jorge a única novidade.

A nomeação da romancista Lídia Jorge segue ainda os esforços de Marcelo Rebelo de Sousa para incluir mais mulheres em Belém. 

De acordo com o Expresso, a nova Casa Civil do Presidente passa a ter 62% de mulheres e 38% de homens. Entre os novos membros, há duas mulheres de origem africana: Djaimilia Pereira de Almeida, uma escritora portuguesa nascida em Angola, que foi escolhida para consultora para os temas da Integração e Inclusão Social; e Patrícia Pereira, major da GNR, que irá integrar a Casa Militar do Presidente.

Outras nomeações recentes incluem Maria José Policarpo e Rita Saias, que é a actual presidente do Conselho Nacional da Juventude.