“O Paulinho é o melhor 9 em Portugal, mas não lhe garanto nada”

É um jogador para muitos anos, diz o treinador do Sporting na conferência de imprensa de antecipação do jogo com o Marítimo.

Foto
Rúben Amorim, treinador do Sporting LUSA/EDUARDO COSTA

Não é segredo para ninguém que Paulinho era o único ponta-de-lança que interessava a Rúben Amorim. O Sporting conseguiu sobreviver sem ele durante meia temporada, mas não o deixou fugir no mercado de Inverno, fez dele o jogador mais caro da sua história e, de caminho, fez a vontade ao seu treinador. Mas o estatuto de desejado, garante Amorim, não fará com que o ex-Sp. Braga tire o lugar a alguém, assinalando que a sua contratação faz parte de um plano a longo prazo.

“Volto a dizer que o Paulinho é o melhor 9 mas não lhe garanto nada. Haverá jogos para todos. O Paulinho vem para aqui por muitos anos, para ajudar os outros a render. Esta é uma equipa para hoje e para amanhã, estamos a formar uma equipa para manter. Temos um projecto para formar jovens e precisamos de mais experientes para ajudar na tarefa. O Paulinho já o tínhamos referenciado, fazia falta à nossa equipa, não vem tirar espaço aos jogadores jovens. A exigência é grande e tem de lutar pelo seu lugar”, reforçou o treinador sportinguista numa conferência de imprensa para lançar o jogo desta sexta-feira com o Marítimo em que Paulinho foi o assunto principal.

O Sporting pagou 16 milhões pelo internacional português (contabilizando a cedência de Borja), o mais que os “leões” alguma vez pagaram por um jogador, algo que Rúben Amorim não considera ser desajustado no futebol português: “Foi um trabalho difícil era um jogador que queríamos. Este tipo de investimento não é anormal no campeonato português, não obriga a nada e não dá pressão extra. Foi algo muito pensado, é uma cooperação entre nós e a direcção, planeamos as coisas com tempo. É assim tão caro? Quem joga com juniores, quem tem mais jogadores de formação? O Sporting é o Sporting e queríamos o melhor que podíamos contratar. É o Paulinho.”

O avançado minhoto foi uma de três contratações do Sporting no mercado de Inverno, a par do regressado João Pereira e de Matheus Reis (ex-Rio Ave). Os dois primeiros, diz Amorim, estão prontos a ir já a jogo, o lateral brasileiro ainda não. “Deram bons sinais. O João já conhecia a casa, o Paulinho já conhecia o treinador, o Matheus não conhecia ninguém, tem de encontrar o seu ritmo e tem de elevar os níveis físicos”, referiu.

O Sporting terá pela frente nesta sexta-feira o único adversário que o venceu está época em competições nacionais e no palco onde essa derrota aconteceu. A 11 de Janeiro, os “leões” perderam por 2-0 com o Marítimo nos Barreiros e ficaram de fora da Taça de Portugal, e, menos de um mês depois, voltam ao “local do crime” para defender a liderança na última jornada da primeira volta do campeonato.

Amorim sabe o que o espera nos Barreiros, onde não irá contar com João Mário (lesionado), e a receita para evitar outra derrota. “Intensidade concentração e rigor. O Marítimo a única equipa que nos ganhou em Portugal, temos de ser humildes e saber que temos de melhorar, mas temos coisas boas e é nisso que temos de nos focar”, assinalou, garantindo que o Sporting não se vai descaracterizar neste confronto com a equipa madeirense.