Coronavírus

As vacinas contra a covid-19 chegaram — e um pasteleiro faz bolos para festejar

Uma confeitaria na Alemanha dedica-se a fazer bolos com o tema "covid-19". Leon Kuegeler/Reuters
Fotogaleria
Uma confeitaria na Alemanha dedica-se a fazer bolos com o tema "covid-19". Leon Kuegeler/Reuters

Uma confeitaria em Dortmund, na Alemanha, começou por fazer bolachas com máscaras e bolos de papel higiénico, mas agora tem finalmente razões para celebrar: chegou a vacina. E eles meteram mãos à obra. “No início estávamos um pouco cépticos, com receio que fosse demasiado macabro”, confidencia o dono, Tim Kortuem, à agência Reuters, que visitou as montras recheadas de seringas feitas de açúcar. Mas depois fizemo-las porque até para quem é antivacinas tem piada.”

Não há qualquer prova de que estes bolos de maçapão, feitos para festejar o ano da vacina covid-19, sirvam de protecção contra o SARS-CoV-2, avisa a Schuerner’s Baking Paradise. Mas também ninguém come bolo por razões de saúde física. Para quando uma segunda dose?

Depois de rolos de papel higiénico e de bolachas com máscaras, em 2021 os bolos em forma de seringa chegaram à Schuerner's Baking Paradise.
Depois de rolos de papel higiénico e de bolachas com máscaras, em 2021 os bolos em forma de seringa chegaram à Schuerner's Baking Paradise. Leon Kuegeler/Reuters
No "rótulo" das vacinas lê-se "2021: adeusinho, corona"
No "rótulo" das vacinas lê-se "2021: adeusinho, corona" Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Leon Kuegeler/Reuters
Sugerir correcção