Um café e uma vacina

As vacinas constituem uma excelente notícia, mas é preciso não criar expectativas artificiais à sua volta.

Foi há dias, pela manhã, no café. De repente, aquilo saiu-lhe, espontâneo, em voz audível, provocando a risota geral. “Adoro vacinas! Por mim, tomava uma todos os dias ao pequeno-almoço, depois do galão quentinho!” Falava-se, evidentemente, de um dos assuntos que tem povoado a generalidade das conversas nos últimos dias: as vacinas e o novo coronavírus.

Eu também, passe a expressão, adoro vacinas. E, no entanto, a excitação repentina que tomou conta do espaço público, as expectativas desmesuradas que foram criadas e a forma como tudo tem sido comunicado e experienciado deixam algumas interrogações no ar. Curiosamente, a OMS (Organização Mundial da Saúde), que ao longo destes meses não tem sido sempre eficaz na comunicação, fez ao longo destes dias alertas a que, de forma significativa, não foi dado grande eco.

Nada que não se soubesse e que não tenha sido reafirmado ao longo destes meses, mas que é preciso recordar em momentos como este, quando se cria a ilusão de que temos a situação sob controlo, ou que por mais danos que façamos, a ciência ou a tecnologia serão sempre prodigiosamente reparadoras. Por exemplo, Mark Ryan, líder do programa de emergências da OMS, frisou que, apesar do impacto da actual pandemia, esta “não será necessariamente a maior”, e que o mundo vai ter de aprender a coabitar com o vírus, que poderá tornar-se endémico, apesar de vacinas que, “mesmo sendo eficazes”, não são garantia de “eliminação” do problema.

Ou seja, a vacina é uma excelente notícia, e deve ser celebrada, mas deve ser circunscrita ao que é: uma ferramenta que faz diminuir o perigo numa altura de emergência. Não deve ser vista como a varinha miraculosa que erradicará todos os dilemas que a pandemia convoca e que vão além das circunstâncias actuais. O foco tem de ser ainda a prevenção, aprender com os erros, olharmos para as causas multidimensionais que nos trouxeram até aqui e para o modelo insustentável de habitar o planeta, e apostando em simultâneo num bom sistema público de saúde e em comportamentos responsáveis, seja do ponto de vista colectivo como individual. E, já agora, em vez do actual endeusamento dos cientistas, como já aconteceu antes com médicos ou enfermeiros, ter a consciência de que aquilo que permite gerir de forma satisfatória uma pandemia é a conjugação de saberes.

Não se trata de retirar o enorme mérito a quem tem vindo a trabalhar nas vacinas, mas de reconhecer que ainda estamos longe do fim do processo. Como já se percebeu, haverá muita gente a recusar-se a tomá-la. E não, não se vai lá chamando-lhes incultos ou ignorantes, da mesma forma que nos tempos do vírus VIH não bastou dizer às pessoas para usarem preservativos para as cadeias de contágio serem interrompidas, para isso acontecer por artes mágicas. Não basta, digamos assim, resolver os problemas tecnicamente, como recordava há algumas semanas José Vítor Malheiros, num texto no Facebook a que deu o título de: O factor humano. Porque é disso que também se trata. É preciso saber analisar comportamentos, atitudes, hábitos ou grupos socioculturais, envolvendo ciências sociais ou humanas, para que as hipóteses criadas não fiquem pelo papel e venham a constituir uma realidade.

É preciso auscultar e perceber o que se receia ou porque é que é tão difícil estabelecer relações de confiança entre diferentes pessoas, instituições ou saberes. A estratégia até agora seguida no combate à pandemia, em Portugal e na maior parte dos países da Europa, nem sempre o tem conseguido fazer. Até certo ponto, tendo em atenção as inevitáveis incertezas e contradições encontradas pelo caminho, é compreensível. É também por isso que tem existido tolerância em relação a quem decide e está no poder. Mas a par de imposições, ou estados de emergência, tem de haver informação clara e completa, e acreditar na capacidade das populações para a receberem na sua complexidade e a debaterem. É assim que as relações de confiança se constroem.

Posto isto, venha de lá essa vacina e um abatanado curto, se faz favor!