Benfica avança para os “oitavos” com uma goleada

As “águias” derrotaram o Vilafranquense, por 5-0, e seguem para a ronda seguinte da Taça de Portugal.

Foto
LUSA/MANUEL DE ALMEIDA

Sem dificuldade e com uma gestão do plantel q.b., o Benfica garantiu uma das 16 vagas nos oitavos-de-final da Taça de Portugal. Três dias depois de jogar na Liga Europa e a três dias de defrontar o V. Guimarães na Taça da Liga, as “águias” receberam no Estádio da Luz o Vilafranquense e, aos 15 minutos, já venciam por 3-0. Num jogo tranquilo para os benfiquistas, Gonçalo Ramos, Pizzi, Pedrinho e Seferovic, por duas vezes, marcaram os golos da vitória benfiquista, por 5-0.

A meio de um mês de Dezembro muito intenso – os “encarnados” vão ter que disputar oito partidas -, Jorge Jesus foi fiel às suas ideias e, mesmo tendo poupado alguns dos seus jogadores mais utilizados, não abdicou de colocar em campo alguns dos habituais titulares.

Na antevisão da partida contra o 13.º classificado da II Liga, o técnico benfiquista tinha avançado que Vlachodimos, Vertonghen e Everton ficariam de fora do duelo com o clube de Vila Franca de Xira, mas as mudanças na habitual estrutura “encarnada” foi mais profunda e implicou uma renovação completa do ataque: Seferovic e Gonçalo Ramos formaram a dupla de avançados.

Com os dois habituais titulares nas laterais da defesa lesionados (André Almeida e Grimaldo), Jesus voltou a oferecer a titularidade a Gilberto e a Nuno Tavares - Diogo Gonçalves parece ser já uma carta fora do baralho do técnico -, e o jovem defesa português, a par de Seferovic, Gonçalo Ramos e Pedrinho, aproveitou as facilidades dadas pelo adversário para ganhar mais crédito junto do treinador.

Apenas derrotado pelo Estoril nos últimos oito jogos, o Vilafranquense surgiu na Luz com uma novidade na baliza (Tiago Martins) e uma alteração no ataque (Rodrigo Rodrigues que tinha quatro golos na Taça foi titular, Carlos Fortes ficou no banco), mas, mesmo com jogadores com experiência de I Liga na defesa (Sparagna, Vítor Bruno e Diogo Coelho), a formação de João Tralhão não conseguiu impedir uma entrada arrasadora do Benfica.

Mesmo sem apresentar um ritmo de jogo elevado, os benfiquistas assumiram desde o apito inicial o controlo da partida e, em apenas quatro minutos, acabaram com as dúvidas sobre quem iria seguir para a ronda seguinte.

Aos 11’, um bom passe de Gabriel rasgou a defesa dos ribatejanos e Gonçalo Ramos, com calma e classe, fintou Tiago Martins e marcou pela terceira vez esta época ao Vilafranquense – já tinha bisado pelo Benfica B na 1.ª jornada da II Liga. Um par de minutos depois, Gabriel iniciou a jogada e Nuno Tavares começou a dar nas vistas: assistência para Pizzi que, com um remate colocado, fez o 2-0. Com a equipa rival desnorteada, o Benfica aproveitou para, logo de seguida, fazer o terceiro, após um bom trabalho de Seferovic.

Em quatro minutos, o Benfica tinha o problema resolvido e, em consequência disso, o jogo perdeu interesse em qualidade. Perto da meia hora, Gonçalo Ramos esteve perto de voltar a marcar (acertou na barra) e, na resposta, foi Kady Borges que acertou num dos ferros da baliza de Helton Leite.

A oportunidade do Vilafranquense foi, no entanto, a excepção que confirmou a supremacia benfiquista e, ainda antes do intervalo, nova assistência de Nuno Tavares resultou em novo golo de Seferovic.

Para a segunda parte, Tralhão mexeu na equipa (entraram Fortes e Léo Cordeiro), mas quem brilhou foi Pedrinho: aos 57’, o ex-jogador do Corinthians estreou-se a marcar pelo Benfica com um grande remate em arco de pé esquerdo.

Com o jogo disputado a passo, Jesus optou por lançar logo de seguida Darwin, Everton, Taarabt e Waldschmidt, mas a cabeça dos benfiquistas já estava no rival seguinte.

Quarta-feira, novamente no Estádio da Luz, o grau de exigência frente ao V. Guimarães nos quartos-de-final da Taça da Liga será certamente maior.