Miguel Oliveira voa para a vitória no GP de Portugal

Piloto português liderou do princípio ao fim, numa corrida “solitária” e exemplar, em que não deu quaisquer hipóteses à concorrência, para terminar o Mundial no nono lugar.

Miguel Oliveira dominou de costa a costa e garantiu o segundo triunfo no Mundial de MotoGP
Fotogaleria
Miguel Oliveira dominou de costa a costa e garantiu o segundo triunfo no Mundial de MotoGP Reuters/RAFAEL MARCHANTE
motogp,autodromo-algarve,campeonato-mundo,motores,desporto,motociclismo,
Fotogaleria
LUSA/JOSE SENA GOULAO
motogp,autodromo-algarve,campeonato-mundo,motores,desporto,motociclismo,
Fotogaleria
LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO

Pole position, recorde da pista, volta mais rápida (1m39,855s) e liderança do início ao fim. Miguel Oliveira fez, este domingo, no fecho do Mundial de motociclismo de velocidade, uma corrida de sonho, num desempenho inatacável, completamente à parte do pelotão da classe-rainha, numa demonstração de absoluto controlo técnico e cerebral, no regresso do Grande Prémio de Portugal.

Com ar fresco pela frente e os ventos portugueses a favor, o “Einstein” português desbravou caminho a um ritmo alucinante, rodando desde o início no segundo 39 e ganhando, paulatinamente, vantagem a toda a concorrência, até confirmar a segunda vitória no Mundial de MotoGP, que concluiu no nono lugar, suplantando Takaaki Nakagami (Honda), que fechou o top 10.

Campeonato que encerrou com chave de ouro, antes da passagem para a KTM oficial, na qual poderá potenciar a injecção motivacional para espreitar o título mundial em 2021.

Com o composto duro à frente e na roda traseira, Miguel Oliveira disparou num arranque irrepreensível e só teve de preocupar-se com a vida útil dos pneus, atingindo a metade da prova com cerca de quatro segundos para o vice-campeão Franco Morbidelli (Yahama), podendo, assim, gerir melhor o desgaste, e beneficiando ainda dos duelos entre Jack Miller (Ducati), Pol Espargaró (KTM) e companhia.

Depois das lágrimas e dos festejos, Miguel Oliveira tentou descrever todas as emoções e ainda assimilar os elogios de Morbidelli (terceiro em Portimão), que considerou o “Falcão” intocável, e Jack Miller (2.º classificado), que reputou o desempenho de Oliveira de inacreditável e inatingível.

“É surreal, sonhamos com este tipo de corridas, não consigo encontrar as palavras para um momento destes”, declarou, agradecendo a todos os que o acompanharam nesta corrida, à equipa e em especial à família “que não pôde ver ao vivo a primeira vitória, na Áustria”.

“Foi um fim-de-semana perfeito, a começar pela pole. Mas o grande objectivo era, claramente, a vitória. Deixo a Tech3 com alguma tristeza e 2020 com um sorriso, mas agora é tempo de desfrutar e continuar a trabalhar”.

Miguel Oliveira diz-se preparado para o novo desafio na KTM oficial, depois de um ano que considera ter sido uma autêntica “montanha-russa de emoções” e que teve em Portugal o ponto mais alto, com os adversários a felicitarem Oliveira, ainda incrédulos com a corrida do português: “Perguntaram-me como consegui ser tão rápido”, revelou.

Entre as várias manifestações de apoio e congratulações que o piloto de Almada recebeu, contou-se a do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa: “Está de parabéns Miguel Oliveira pela sua extraordinária vitória de hoje, em Portimão, em Portugal (...) O Presidente da República agradece ao nosso campeão nesta prova tão simbólica o contributo que deu e dá para o reforço da vontade de triunfar em tantos outros domínios da vida nacional”.

Sugerir correcção