Torne-se perito

Thiem e Medvedev no render da guarda

Os dois vão discutir a final das ATP Finals depois de eliminarem Djokovic e Nadal.

modalidades,tenis,desporto,
Foto
Reuters/PAUL CHILDS

O assalto ao domínio do Big 3 pela nova geração de tenistas viveu mais um episódio histórico nas Nitto ATP Finals, com os dois primeiros do ranking, Novak Djokovic e Rafael Nadal, a serem derrotados nas meias-finais. E vão ser os mais novos, Dominic Thiem e Daniil Medvedev, a discutirem o último título do circuito ATP, depois de duas exibições onde a força mental de ambos surpreendeu os reputados adversários.

Tal como no duelo de 2019 nesta mesma Arena O2, o embate entre Thiem e Djokovic só ficou decidido no tie-break do set decisivo, onde o líder do ranking voltou a ter uma vantagem importante. Mas Thiem teve o mérito de não se desmoralizar após os quatro match-points que desperdiçou no segundo set e de continuar a acreditar depois de perder os quatro primeiros pontos do último tie-break, para vencer, por 7-5, 6-7 (10/12) e 7-6 (7/5), em duas horas e 54 minutos.

“Fiquei muito contraído no tie-break do segundo set porque defrontar estas lendas vai ser sempre muito especial. Depois do meu triunfo no US Open, pensei que ia estar mais calmo nestes momentos, mas parece-me que me enganei; estava tenso e nervoso como antes”, afirmou o austríaco de 27 anos, após somar a 300.ª vitória no circuito ATP, concluída sem ceder qualquer break.

Sem surpresa, ambos foram ganhando os respectivos jogos de serviço. Sem oportunidades de quebrar o serviço até então, o break fatal acabou por surgir inesperadamente, a 5-5, premiando a maior agressividade do austríaco, mas também penalizando os vários erros de Djokovic na rede.

O sérvio obteve o primeiro break-point, a 4-3 do segundo set, negado pelo austríaco, e, a 6-5, dispôs mesmo de dois set-points, mas Thiem anulou-os, com a inestimável ajuda do serviço. Contudo, Djokovic entrou mal no tie-break, mas conseguiu virar de 0/2 para 4/2, antes do 4/4. Thiem dispôs de quatro match-points – o segundo, a 7/6, desperdiçado com uma dupla-falta – e seria o sérvio o mais eficaz a fechar.

O equilíbrio foi ainda mais notório no set decisivo, onde não se registou qualquer break-point. O inevitável tie-break começou com a primeira dupla-falta de Thiem na partida e a 0/3 cometeu mais um erro, de direita. Quando o encontro começava a inclinar-se para Djokovic, o austríaco tomou a iniciativa e ganhou os seis pontos seguintes. E a 6/5, no quinto match-point, Thiem foi mais feliz.

“Tenho de tirar o chapéu e dar-lhe os parabéns. Não penso que tenha jogado mal em nenhum ponto a partir do 4/0, mas ele jogou muito bem”, reconheceu Djokovic, após a quinta derrota nos últimos sete duelos com o austríaco. Aliás, em relação ao Big 3, o registo de Thiem é claramente positivo: ganhou cinco dos últimos seis embates com Roger Federer e três dos últimos quatro com Nadal.

Daniil Medvedev cometeu a proeza de vencer Rafael Nadal pela primeira vez na carreira e infligir a primeira derrota ao espanhol depois de este ter ganho o set inicial, o que não acontecia desde Fevereiro de 2019. E é preciso recuar a 2012, para se encontrar um encontro em que Nadal saiu derrotado depois de servir para fechar.

“A 5-4 do segundo set, decidi mudar umas pequenas coisas e começar a arriscar um pouco mais. Tinha de mudar e resultou muito bem”, resumiu Medvedev que viu o número dois do ranking servir para concluir o encontro em dois sets, antes de proceder a uma reviravolta que terminou com os parciais de 3-6, 7-6 (7/4) e 6-3.

Nadal teve de enfrentar três break-points logo no terceiro jogo, enquanto que o russo ia vencendo praticamente todos os pontos em que colocava o primeiro serviço. Mas a 3-4, esse serviço desapareceu completamente e espanhol de 34 anos – mais 10 que o seu adversário – aproveitou para ganhar os quatro pontos na segunda bola de Medvedev e fazer o break.

No segundo jogo do segundo set, foi o serviço de Nadal que baixou de eficácia e o russo aproveitou para adiantar-se para 2-0. A 1-4, o número dois do ranking teve de anular um break-point, mas foi aí buscar a confiança para quebrar Medvedev no jogo seguinte, numa série de quatro jogos consecutivos.

Só que quando Nadal serviu para fechar o encontro, o russo reagiu e “quebrou”, em branco. A irregularidade de Nadal manteve-se no tie-break e Medvedev forçou o terceiro set, onde foi o único a dispor de break-points (quatro). O russo aproveitou a quarta oportunidade para quebrar e não enfrentou qualquer break-point, até fechar.

Thiem lidera o mano-a-mano com Medvedev, por 3-1, e ganhou o último duelo, em meados de Setembro, nas meias-finais do US Open. Certeza é que, pelo quinto ano consecutivo, haverá um campeão inédito nas ATP Finals.

Sugerir correcção