A pandemia de obscurantismo

É, portanto, mais uma vez contra novas formas de desigualdade que temos que lutar. Retirando a exclusividade de literacia crítica às elites e facilitando-a àqueles a que se chamava “povo”, às “massas”, para que a democracia seja mesmo democracia. É urgente. Mas é tarefa difícil, que temos que encarar.

É o obscurantismo que sustenta o populismo e é este que põe em causa o conceito e a prática de democracia. Impõe-se a necessidade de análise desta realidade. Uma boa parte do poder político mundial apoia-se nele e não pretende mudá-lo. A velha ideia de que a alfabetização dava poder aos povos, não chega. Estamos perante novos meios de comunicação e nunca como hoje foi tão necessária a literacia crítica, o pensamento crítico. Não só e também para as “elites”, mas como necessidade para as chamadas “massas”.

Muito da Esquerda mais esquerda, da social-democracia, dos republicanos, vem na genealogia da Revolução Francesa e das Revoluções Liberais também portuguesas (sempre a aprender com Fátima Sá e Miriam Halpern Pereira), que transformaram os súbditos em cidadãos e teriam também a ideia de os equipar com a capacidade de leitura. Não é por acaso que algumas das líderes dos bairros da Comuna de Paris eram professoras primárias, tal como algumas mulheres do chamado Socialismo Utópico. Assim foram algumas das nossas republicanas e os grémios escolares, antes e durante a República, prosseguiam esse ideal da alfabetização.

Durante a ditadura, e enquanto puderam, as Universidades Populares criadas por Bento de Jesus Caraça e as escolas de esperanto abriam conhecimentos para além do ensino elementar. Assim chegámos ao movimento revolucionário do 25 de Abril, com este ADN de todos aqueles que nele se envolveram. E com 40% de analfabetos. Alfabetizar foi um desígnio e bem. As escolas de adultos, a telescola e, mais tarde, as Novas Oportunidades deram instrumentos para ir mais longe no conhecimento e, portanto, ter mais algum poder. Mas não chegava… Os novos alfabetizados estavam ainda muito longe das elites que tinham acesso às direcções partidárias e ao exercício do poder. Alguns pensavam que devagarinho íamos lá e que era preciso ir educando o “povo”. Mal sabíamos nós que nos ia cair em cima o Facebook, o WhatsApp, o Instagram, o Google, o YouTube e outros.

A contradição é enorme. Graças a eles eu tenho acesso a artigos de investigação de todo o mundo, em vez de depender de um centro de documentação universitário onde ia buscar cópias. Recuando alguns anos mais atrás, tinha que pedir a uma empresa farmacêutica que os obtivesse e mais atrás ainda (tempos de estágio) dependia duma casa de fotocópias para as bandas do Chiado. Este foi o percurso da minha geração. Quanto a escritos ou livros políticos, dependíamos do Sud-Expresso.

Com as novas redes informáticas, abriu-se-nos o mundo, sem qualquer deslocação física, e isso é bom. No entanto, contraditoriamente, estas maravilhosas redes foram o veículo da divulgação de explicações obscuras, de factos que não ocorreram, de ardilosas agendas que manipulam milhões de pessoas. A chamada pós-verdade. O Facebook tem 2603 milhões de utilizadores e o WhatsApp e o YouTube têm 2000 milhões. Como vivem da publicidade, explícita ou implícita, os lucros são também na escala dos mil milhões anuais. Quanto à Internet, é utilizada por mais de metade da população mundial – 4,57 milhares de milhões. O pensamento obscurantista, ardiloso, falso, enganador, é pois espalhado à escala de milhões. Não estamos a falar de populações com religiões animistas que vivem numa lógica diferente das populações alfabetizadas. Estamos a falar de populações que sabem ler no ecrã e até lêem rapidamente. Terão elas literacia? E terão literacia crítica? Terão pensamento crítico? Tudo aponta para que uma grande parte não tenha nem literacia crítica nem pensamento crítico. E isso está a ser perigoso para o ser humano.

Socorro-me de um extenso artigo do investigador português de alto gabarito da Universidade Livre de Bruxelas, José Morais, publicado em conjunto com Régine Kolinsky (para quem quiser ter acesso, Journal of Cultural Cognitive Sciences, 9 de Junho 2020), que traduzo por “Observar o pensamento: um instrumento cognitivo cultural". Para a análise que aqui pretendo deixar em aberto, os investigadores explicam que literacia é diferente de literacia crítica, que pensar (alguns animais parece que pensam) é diferente de raciocinar, que ler automaticamente é diferente de compreender. Que ler é diferente de explicar o que se leu recorrendo à escrita articulada, isto é, redigir. Ainda em relação à articulação, que corresponde também à compreensão, note-se que muitas vezes na Net a linguagem é desarticulada. São flashes de palavras.

Ter literacia crítica corresponde a fazer perguntas perante o que se lê: é verdade? Isto que estou a ler tem alguma lógica? Corresponde a encontrar contradições, incorrecções, falsidades. E ser capaz de as discutir com contraditório, com alternativas e com argumentos. Ora bem, estudos fiáveis realizados mostram que nos países desenvolvidos há 30% de pessoas com literacia crítica e nos outros 10%. E quem são esses? Os que por razões sociais estão equipados com os melhores graus de instrução. A desigualdade é, mais uma vez, a estrutura em que assenta esta capacidade de discernir. E as elites dos poderes políticos que usam esta desigualdade de discernimento autoperpetuam-se. Para além da desigualdade de grau e qualidade de instrução, todos nós temos que nos defender das nossas ignorâncias. Pois quanto mais ignoramos um assunto, mais tendência temos para acreditar numa “verdade” que nos querem vender, o que está provado em vários estudos. Dir-se-ia que a burocracia das administrações públicas se ia simplificar? Não. A burocracia online multiplicou-se. Só depende de um click e da sua própria exclusividade como meio.

Ora, verifica-se que são populações alfabetizadas que todos os dias trocam mitos por história, opiniões por factos, mentira por verdade. Aceitam sem cepticismo o que lêem na Net. A “verdade” da Net passa a funcionar como o “até deu na televisão”. Só que a esta fonte podem pedir-se responsabilidades. À Net, não. Há uns que acreditam na Terra Plana ou que a Criação aconteceu como descrita no Antigo Testamento (relembre-se que este vem do tempo dos rapsodos e da oralidade). Mas outros há que, sem ir tão longe, ficam mais perto. Ouço, certamente com uma frequência semanal, pessoas de nível universitário acreditarem sem pensamento crítico em teorias pseudo-científicas a respeito de glúten, lactose, hidratos de carbono, desintoxicação, “energia”, ou que comer carne traz maus instintos. Digamos que estes mitos dizem respeito ao corpo de cada um(a). Ou então o mito satisfaz a imaginação. Acreditar que o coronavírus da covid-19 foi fabricado em laboratório é com certeza mais “interessante” do que perceber que existe na natureza, tal como outros. Assusta mais quando o mesmo nível de “factos”, “verdades”, “teorias” se espalha entre as massas, manipuladas pelo poder político. Quando, por exemplo, activistas New Age, que sempre navegaram inocentemente no obscurantismo do “natural”, derivam agora para o QAnon, grupo anónimo apoiante de Trump que espalha notícias falsas, entre elas acusações de pedofilia dirigidas aos adversários políticos. Nada que já não tenha sido feito em Portugal. 

Dir-se-á que as “massas” que lêem estas falsas notícias e que aderem ao discurso soletrado e de frases curtas de Trump são estúpidas? E nós é que somos os inteligentes? Longe disso. A inteligência faz parte do desenvolvimento do ser humano. A capacidade de raciocínio e de transmissão de conhecimento corresponde à evolução humana. Todos os seres humanos são inteligentes e capazes de raciocínio, sem depender de características genéticas herdadas. É o meio ambiente, a comunidade, o grau de instrução, que vão dando capacidade de raciocínio, de discernir, de pôr em causa. E as opções dependem de múltiplos factores. Veja-se o caso de gémeos iguais, mas educados em meios desiguais. É, portanto, mais uma vez contra novas formas de desigualdade que temos que lutar. Retirando a exclusividade de literacia crítica às elites e facilitando-a àqueles a que se chamava “povo”, às “massas”, para que a democracia seja mesmo democracia. É urgente. Mas é tarefa difícil, que temos que encarar.