Uma ascensão guiada ao firmamento da literatura portuguesa

A Fundação Cupertino de Miranda abre esta segunda-feira ao público a sua nova Torre Literária com uma exposição permanente que conduz os leitores pelos textos e contextos de alguns dos mais canónicos escritores portugueses.

literatura,culturaipsilon,manoel-oliveira,camoes,fernando-pessoa,livros,
Fotogaleria
O curador João R. Figueiredo numa mesa de leitura que o arquitecto João Mendes Ribeiro desenhou expressamente para esta exposição
literatura,culturaipsilon,manoel-oliveira,camoes,fernando-pessoa,livros,
Fotogaleria
O curador Miguel Tamen vendo imagens que obrigam os visitantes a espreitar por pequenos orífícios na parede
literatura,culturaipsilon,manoel-oliveira,camoes,fernando-pessoa,livros,
Fotogaleria
literatura,culturaipsilon,manoel-oliveira,camoes,fernando-pessoa,livros,
Fotogaleria
Os curadores António Feijó e João R. Figueiredo junto a uma ilustração que mostra como os escravos eram acondicionados nos barcos negreiros

Com curadoria dos ensaístas António M. Feijó, João R. Figueiredo e Miguel Tamen, todos eles professores da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a exposição Louvor e Simplificação da Literatura Portuguesa abre esta segunda-feira ao público na nova Torre Literária da Fundação Cupertino de Miranda, cujo espaço interior foi transformado pelo arquitecto João Mendes Ribeiro numa rampa de declive suave, ao longo da qual se vão agora sucedendo os principais escritores portugueses, representados por excertos das suas obras, mas também por fotografias, vídeos ou sons, que tanto podem ajudar a situá-los no seu contexto histórico como sugerir modos inesperados de os revisitarmos hoje.