Brigadas dos lares avançam com menos gente. Médicos e enfermeiros ficam só de prevenção

O Instituto da Segurança Social e a Cruz Vermelha Portuguesa comprometem-se a reforçar as equipas “para atingir o número de elementos previstos”. Solicitada a colaborar no processo, a Ordem dos Enfermeiros ainda não recebeu informação.

seguranca-social,saude,sociedade,servico-nacional-saude,ministerio-saude,psicologia,
Foto
Paulo Pimenta

As brigadas de resposta rápida para os lares atingidos por surtos de covid-19 estão prontas a iniciar a sua actividade a 1 de Outubro, embora com menos profissionais do que o anunciado. A garantia foi dada nesta terça-feira ao PÚBLICO pelo Instituto da Segurança Social (ISS).