bruxelas,competitividade,politica,antonio-costa,uniao-europeia,governo,
Fotogaleria
RODRIGO ANTUNES/LUSA
bruxelas,competitividade,politica,antonio-costa,uniao-europeia,governo,
Fotogaleria
Verba para habitação condigna ultrapassa os 1200 milhões de euros Paulo Pimenta
bruxelas,competitividade,politica,antonio-costa,uniao-europeia,governo,
Fotogaleria
Há 26 mil famílias que não têm casas em condições daniel rocha

António Costa: “É um plano para oportunidades únicas”

O draft do Plano de Recuperação e Resiliência que o Governo vai entregar em Bruxelas em meados de Outubro tem medidas concretas que afectam a vida dos portugueses e faz as contas a quanto vão custar. O PÚBLICO adianta-lhe nove.

Duas novas pontes para Espanha, 1250 milhões para garantir habitação condigna para as 26 mil famílias sinalizadas, um eléctrico rápido em Loures, um autocarro autónomo no Porto, meios complementares de diagnóstico nos centros de saúde, mais de 8000 camas de cuidados integrados e paliativos e meios aéreos próprios (comprados). O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) já é mais do que o Powerpoint de 16 páginas apresentado pelo primeiro-ministro aos partidos no início da semana passada. Tem medidas e custos associados. “É um plano para oportunidades únicas”, diz ao PÚBLICO António Costa, que esta terça-feira estará na Fundação Champallimaud, ao lado de Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, para apresentar as linhas gerais do PRR.