Covid-19: DGS aceita que pescadores façam quarentena a trabalhar

Embarcações com casos positivos vão poder continuar a ir ao mar com os tripulantes que tenham teste negativo, desde que estes se mantenham juntos, e afastados da família, durante o período de isolamento profiláctico.

Foto
Medida beneficia essencialmente os barcos da sardinha, que têm uma safra limitada no tempo NELSON GARRIDO

As autoridades de Saúde aceitam que as embarcações de pesca do cerco nas quais seja detectado algum tripulante com covid-19 possam continuar a operar com os pescadores restantes, em caso de teste negativos. Para isso, estes homens cumprirão o isolamento em “coorte”, juntos no mar e também em terra, afastados das famílias, durante o período de duas semanas que a lei determina. 

A medida foi anunciada aos armadores que operam no porto de Leixões, e entre os quais se levantou, nas últimas semanas, grande preocupação, depois de quatro traineiras terem sido obrigadas a parar após detecção de vários casos de pescadores infectados com o novo coronavírus. Sendo a pesca da sardinha uma actividade sazonal, e muito limitada, aliás, no tempo, os 14 dias de quarentena profiláctica para os restantes membros das companhas inviabilizam a actividade destes barcos.

Esta possibilidade foi anunciada aos pescadores num encontro em Matosinhos, esta quinta-feira, no qual participaram o Secretário de Estado da Mobilidade, Eduardo Pinheiro, na qualidade de Coordenador do Estado de Alerta para a Região Norte, o Secretário de Estado das Pescas, José Apolinário, as associações representantes dos pescadores que operam no Porto de Leixões, a delegada de saúde regional-adjunta, Graça Cruz, o presidente da ARS-Norte, Carlos Nunes, e as autoridades locais de saúde.

Numa reunião anterior, a Câmara de Vila do Conde tinha já feito saber que estaria disponível para ceder instalações de uma colónia de férias e para dar apoio logístico - na confecção de refeições, por exemplo - às tripulações dos armadores do concelho que precisassem de cumprir o isolamento em terra, caso esta possibilidade viesse a ser autorizada. 

Neste novo encontro, foram ainda comunicados os apoios ao sector, “nomeadamente a Portaria n.º 204-A/2020, de 25 de Agosto, que aumenta o período de apoio aos pescadores e armadores por paragens que resultem de obrigação estabelecida pelas autoridades de saúde”, explica o gabinete de Eduardo Pinheiro. “Com esta solução, desenvolvida pelas autoridades competentes, ficam salvaguardadas a saúde dos pescadores e a subsistência económica do sector das pescas”, acredita o governante que acompanha a evolução da covid-19 no Norte do país.