Steve Bannon detido por esquema de desvio de fundos

O antigo conselheiro e director de campanha de Donald Trump foi detido por ter montado um esquema para desviar milhões de dólares da iniciativa de recolha de fundos “Construímos o Muro”. O Presidente distanciou-se de Bannon e disse ser uma “coisa muito triste”.

Foto
Steve Bannon é uma das figuras mais conhecidas da extrema-direita americana Reuters/JAMES LAWLER DUGGAN

O antigo conselheiro e director da campanha eleitoral de 2016 de Donald Trump, Steve Bannon, foi nesta quinta-feira detido em Nova Iorque, nos Estados Unidos, sob suspeita de desvio de fundos de doadores da iniciativa “Construímos o muro” - o muro que o Presidente Trump prometeu construir na fronteira com o México para travar a imigração ilegal.

As autoridades detiveram Bannon, de 66 anos, e três dos seus colaboradores mais próximos por suspeitas de terem enganado doadores que deram “mais de 25 milhões de dólares para se construir um muro ao longo da fronteira sul dos Estados Unidos”, erguendo “secções privadas” do muro, quilómetro a quilómetro por vezes, segundo o seu site. São acusados de conspiração para cometer fraude e lavagem de dinheiro, e este último crime pode ter uma pena máxima de 20 anos de prisão. 

Um dos detidos é Timothy Shea, de 49 anos, que foi nomeado em Maio administrador interino da Drug Enforcement Administration (DEA, a agência norte-americana para a luta contra a a droga, e outro é Brian Kolfage, veterano da Força Aérea de 38 anos e fundador da campanha para a construção do muro. O terceiro é Andrew Badolato, de 56 anos. 

“Como alegado, os arguidos defraudaram centenas de milhares de doadores, capitalizando o seu interesse em financiar um muro fronteiriço para arrecadar milhões de dólares sob a falsa pretensão de que todo esse dinheiro seria usado na construção”, disse em comunicado a procuradora do Distrito Sul de Nova Iorque, Audrey Strauss. “Os arguidos fizeram um esquema secreto para passar milhares de dólares a [Brian] Kolfage, que ele usou para financiar a o seu estilo de vida luxuoso”. 

As autoridades dizem que Kolfage usou 350 mil dólares recolhidos pela campanha para financiar a sua vida privada, enquanto Bannon, através da organização não-lucrativa Non-Profit-1, recebeu um milhão de dólares que usou para pagar despesas pessoais. 

“Para esconder os pagamentos a Kolfage pela Construímos o Muro, Kolfage, Bannon, Badolato e Shea elaboraram um esquema para direccionar estes pagamentos da campanha para Kolfage, indirectamente enviados pela Non-Profit-1 e por uma empresa de fachada sob controlo de Shea”, lê-se no comunicado. 

A campanha foi criada em 2018, através da plataforma de doações GoFundMe por Kolfage e, na Primavera de 2019, já tinha arrecadado 22 milhões de dólares. Chegou inclusive a construir duas partes do muro nos estados do Novo México e Texas em terras privadas, uma estratégia para evitar a intervenção das autoridades estaduais e federais. 

O tema do muro é um dos que mais mobiliza os apoiantes de Donald Trump, ouvindo-se muitos slogans a favor da sua construção nos seus comícios políticos, mas o Presidente tentou distanciar-se recentemente da campanha depois de duas reportagens da ProPublica e do Texas Tribune a denunciar problemas internos, diz a MSNBC. 

“Bem, sinto-me muito mal. Não tenho lidado com ele por um longo período de tempo”, disse Trump, poucas horas depois da detenção de Bannon. “Não sei nada sobre o projecto para além de não gostar quando o lia. Não gostava. Eu disse que isto era para o Governo, isto não é para pessoas privadas”, continuou, distanciando-se da campanha e dizendo acreditar tratar-se de “uma coisa muito triste para o senhor Bannon”. 

Em Outubro de 2019, diz a acusação, citada pela CBS News, os quatro homens tomaram conhecimento de que estavam a ser investigados e tentaram ocultar os rastos das transferências financeiras, usando até aplicações de mensagens encriptadas para comunicarem. E, há dois dias, Kolfage anunciou no Twitter que ia tirar a campanha da plataforma GoFundMe por esta apoiar o movimento Black Lives Matter, transferindo-a para outra plataforma. 

O Congresso tem sido um obstáculo à construção do muro, muito por os democratas dominarem a sua câmara baixa, a Câmara dos Representantes, mas partes do muro têm sido erigidas ao longo da fronteira, mesmo durante a pandemia de covid-19, diz o Guardian. Trump prometeu construir o muro até 2020 com um orçamento de 18,5 mil milhões de dólares, até agora sem sucesso. 

Contactada por vários órgãos de comunicação social internacionais, Alyssa Farah, directora da Casa Branca para as Comunicações Estratégicas, recusou-se a comentar. O advogado de Steve Bannon, Bill Burck, também se relegou ao silêncio e espera-se que o antigo director-executivo do media de extrema-direita Breitbart News compareça em tribunal ainda esta quinta-feira.