Luís Vicente: conversas exigentes através do trompete

De uma assentada, lança três álbuns: em trio, a solo e a bordo de um quarteto partilhado com Hamid Drake, William Parker e John Dikeman. Uma afirmação contundente de um dos mais inspirados músicos de jazz portugueses.

Foto
Pedro Jafuno

Quando o Ípsilon integrou Luís Vicente, em 2016, numa selecção de músicos portugueses de jazz (e música improvisada) em claro momento ascensional, nem as perspectivas mais optimistas de futuro colocariam, ainda assim, o trompetista a partilhar um palco com Hamid Drake e William Parker passados apenas três anos. Drake e Parker são duas daquelas figuras a quem se aplica, sem remorsos, o demasiado gasto carimbo “lendas vivas do jazz”. Drake tocou com gente do estatuto de Don Cherry, Pharoah Sanders, Herbie Hancock, Archie Shepp ou Wayne Shorter, Parker já foi o amparo musical de Cecil Taylor, Charles Gayle, Gerald Cleaver, Joe McPhee, Roscoe Mitchell, David S. Ware ou Matthew Shipp. Juntos foram a secção rítmica de Fred Anderson, Peter Brötzmann, Fröde Gjerstad ou do Akuden Quartet, entre tantos outros. São os “Sly and Robbie do jazz”, compara o trompetista português, crente de que os dois serão “a melhor secção rítmica actual”.

Sugerir correcção