PJ investiga associação por suspeita de burla com donativos para Angola

Associação Pedacinho de Céu não pediu autorização para angariar fundos, nem é uma ONG nem IPSS. Polícia angolana já confirmou que não existem 200 crianças num barracão a precisar de ajuda e deteve o representante da associação que funciona como igreja evangelista. “Não tenho nada a esconder”, diz a presidente da associação de Olhão.

sociedade,religiao,crime,justica,angola,africa,
Fotogaleria
Diogo Ventura
sociedade,religiao,crime,justica,angola,africa,
Fotogaleria
sociedade,religiao,crime,justica,angola,africa,
Fotogaleria
sociedade,religiao,crime,justica,angola,africa,
Fotogaleria
sociedade,religiao,crime,justica,angola,africa,
Fotogaleria

A associação Pedacinho do Céu, sediada em Olhão, no Algarve, suspendeu a campanha de angariação de fundos para ajudar 200 crianças subnutridas de kassanje, em Angola. O elemento de ligação da organização, em Luanda, Hélder Silva, foi indiciado por associação criminosa e burla e as autoridades angolanas confirmaram entretanto o alegado embuste: não existem 200 crianças numa barracão de Kassanje a precisar de ajuda. Em Portugal, a Polícia Judiciária está a investigar o caso por suspeita de burla, confirmou o PÚBLICO junto de fontes policiais. Também a Procuradoria-Geral da Republica (PGR) adiantou que “foi instaurado um inquérito”.

Sugerir correcção