Exigidas verbas do PDR 2020 para minimizar estragos em Castro Verde

As chamas devastaram 2.433 hectares em 13 explorações agro-pecuárias no concelho, afectando, sobretudo, pastagens e restolho, destruindo mais de mil fardos de palha, além de palha por enfardar e vedações.

Bombeiro
Foto
Paulo Pimenta

A Câmara de Castro Verde (Beja) defendeu, esta terça-feira, a utilização de verbas do Programa de Desenvolvimento Rural (PDR) 2020 para apoiar os agricultores penalizados pelo incêndio de 13 de Julho, que se queixam de “muitos prejuízos”.

Em declarações à agência Lusa, José da Luz Pereira, presidente da Associação de Agricultores do Campo Branco (AACB), com sede em Castro Verde, indicou que o incêndio causou “enorme transtorno financeiro” às explorações agro-pecuárias afectadas.

“Foi um incêndio que deixou muitos prejuízos. Arderam muitas pastagens e agora os produtores têm de procurar alternativas para alimentar o gado. Ou levam o gado para outro lado ou, se não tiverem, têm de comprar pastagem”, disse.

A contabilização dos estragos materiais causados pelo fogo consta de um relatório que o município de Castro Verde elaborou com os contributos da AACB e da Liga para a Protecção da Natureza (LPN), tendo já sido apresentado ao Ministério da Agricultura.

Segundo o presidente do município, António José Brito, as chamas devastaram 2.433 hectares em 13 explorações agro-pecuárias no concelho, afectando, sobretudo, pastagens e restolho, destruindo mais de mil fardos de palha, além de palha por enfardar e vedações.

No relatório, a autarquia recorda que a zona do Campo Branco, que abrange os concelhos de Castro Verde e Almodôvar e parte dos de Aljustrel, Mértola e Ourique, “desde há muito se destaca pelo exercício de uma actividade agrícola amiga do ambiente, mas, por essa via, penalizada no seu rendimento quando comparada com outras regiões do país”.

“Neste quadro, não obstante os apoios existentes, a ocorrência de eventos como o de dia 13 de Julho atinge fortemente o ténue equilíbrio económico das explorações”, pode ler-se no relatório consultado pela Lusa.

Desta forma, a câmara defende no documento “ser necessário olhar com atenção para a realidade actual destes agricultores, procurando, através dos mecanismos já existentes, ou a criar, apoiar na minimização da situação adversa em que actualmente se encontram, nomeadamente através do PDR 2020 -- Medidas 3, 6 e 7”.

Para António José Brito, esta era uma forma “de os agricultores directamente penalizados pelo incêndio serem apoiados para minorar os graves prejuízos, numa região onde a agricultura, por via da seca e das condições difíceis do sequeiro, tem graves problemas”.

“A concretização destes apoios potenciaria, igualmente, um ambiente propício a uma mais rápida recuperação do potencial produtivo agora perdido, assim como para um mais rápido recobro do potencial turístico associado à prática agrícola amiga do ambiente”, acrescentou o autarca.

O incêndio rural no concelho de Castro Verde, que deflagrou na tarde de 13 de Julho na zona da Lagoa da Mó, perto de Casével, e foi dado como dominado às 02:22 do dia seguinte, chegou a mobilizar 165 operacionais, com o apoio de 60 veículos e três meios aéreos.

Durante o combate às chamas ficaram feridos cinco bombeiros, dois dos quais com gravidade, ambos da corporação de Cuba. Um dos feridos graves, Carlos Carvalho, acabou por morrer a 30 de Julho numa unidade hospitalar de Lisboa e o funeral foi realizado no passado sábado em Vila Alva.

Sugerir correcção