loures,racismo,sociedade,casa-pia,psp,crime,
Fotogaleria
Diogo Ventura
loures,racismo,sociedade,casa-pia,psp,crime,
Fotogaleria
A família recorda Bruno Candé em casa Diogo Ventura
loures,racismo,sociedade,casa-pia,psp,crime,
Fotogaleria
As irmãs de Bruno Candé e a sobrinha Diogo Ventura
loures,racismo,sociedade,casa-pia,psp,crime,
Fotogaleria
O local onde Bruno Candé foi morto a tiro Diogo Ventura
loures,racismo,sociedade,casa-pia,psp,crime,
Fotogaleria
Diogo Ventura
loures,racismo,sociedade,casa-pia,psp,crime,
Fotogaleria
Diogo Ventura
loures,racismo,sociedade,casa-pia,psp,crime,
Fotogaleria
Diogo Ventura
loures,racismo,sociedade,casa-pia,psp,crime,
Fotogaleria
Diogo Ventura
Reportagem

Testemunhas ouviram insultos racistas contra Bruno Candé. “Tenho armas do Ultramar e vou-te matar”

Assassinato ocorreu em plena Avenida de Moscavide, no sábado. Na quarta-feira, vários comerciantes da zona ouviram Bruno Candé ser alvo de insultos racistas proferidos pelo arguido, que terá também ameaçado matá-lo. Homem de 76 anos ficou em prisão preventiva, por homicídio qualificado e posse de arma ilegal.

Depois do acidente de bicicleta que lhe deixou o lado esquerdo do corpo com limitações motoras, o actor Bruno Candé Marques, de 39 anos, andava bastante a pé. Já durante a pandemia de covid-19 era frequente ir ao café na Avenida de Moscavide, perto de casa. Precisava de ver pessoas, conta a sobrinha, Andreia. Esta segunda-feira, o banco onde se costumava sentar com a cadela Pepa, de raça labrador, tem flores e bilhetes de homenagem a lembrar o homem, o pai de três filhos, o irmão de cinco, o actor.