Bolsonaro tem covid-19, mas diz estar “perfeitamente bem”

Presidente brasileiro apresentava alguns sintomas de infeccção pelo novo coronavírus e tinha sido testado na segunda-feira.

O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, disse nesta terça-feira que teve positivo no teste de despistagem da infecção pelo novo coronavírus. Bolsonaro apresentava sintomas de covid-19 e fez o teste na véspera.

Em declarações aos jornalistas em Brasília, Bolsonaro garantiu estar “perfeitamente bem” e que a febre já está a descer. “Estou até com vontade de fazer uma caminhada, mas, por recomendação médica, não farei”, afirmou. Com 65 anos, o Presidente integra o grupo de pacientes de risco para quem os efeitos da covid-19 podem ser mais graves.

No final da sua declaração, Bolsonaro pediu aos jornalistas para se afastarem e retirou a máscara para mostrar a cara e garantir que está “bem” e “tranquilo”. Foram canceladas deslocações aos estados da Bahia e Minas Gerais, agendadas para os próximos dias, e Bolsonaro irá trabalhar a partir do Palácio da Alvorada através de teleconferência, segundo explicou o próprio.

Na segunda-feira, Bolsonaro apareceu em público com máscara e não interagiu com os apoiantes que o aguardavam perto do Palácio da Alvorada, em Brasília, ao contrário do habitual. O Presidente disse estar com febre e revelou ter sido testado para a covid-19.

A rádio Band tinha avançado que um primeiro teste teria dado positivo e que o exame desta segunda-feira serviu como contraprova. A mesma notícia dizia que Bolsonaro já estaria a tomar hidroxicloroquina, o medicamento para tratar a malária e algumas doenças auto-imunes, que o Governo brasileiro defende como eficaz no tratamento da covid-19, embora vários estudos apontem dúvidas. Está também a tomar o antibiótico azitromicina.

Para além de febre, Bolsonaro teve tosse, dores de cabeça, cansaço e dores musculares nos últimos dias.

Durante o fim-de-semana, o Presidente foi recebido na residência do embaixador norte-americano em Brasília para assinalar o Dia da Independência dos EUA, onde foi fotografado sem máscara e próximo de outras pessoas. O embaixador Todd Chapman já disse que será testado e que está a tomar precauções. Na segunda-feira, Bolsonaro esteve reunido com os ministros Paulo Guedes, Augusto Heleno, Braga Netto e Luiz Eduardo Ramos.

Em Março, suspeitou-se que Bolsonaro poderia ter contraído o vírus depois de vários membros de uma comitiva governamental, que contactaram de forma próxima com o Presidente, terem testado positivo após uma viagem aos EUA. Na altura, Bolsonaro rejeitou ter qualquer preocupação com a possibilidade de vir a ser infectado, justificando com o seu “histórico de atleta”.

O Presidente brasileiro tem desvalorizado os efeitos clínicos da pandemia da covid-19 e continua a insistir na reabertura da economia, apesar de o número de contágios e mortes manter-se em rápida expansão no país. Só nas últimas 24 horas, foram registados mais de 21 mil novos casos e 656 mortos.