Por causa da covid-19, os Portuguese Kids trocaram os espectáculos pela venda de chouriço e bolos lêvedos online

As vendas da Shop Portuguese permitiu ao trio de humoristas luso-americanos compensar o cancelamento de espectáculos. O regresso aos palcos far-se-á com tempo e segurança.

celebridades,impar,artes-cultura-entretenimento,eua,alimentacao,consumo,
Foto
Os produtos mais vendidos são bolos lêvedos, chouriço e linguiça e pastéis de nata congelados. RUPIXEN/ UNSPLASH

Com os espectáculos cancelados devido à pandemia de covid-19, o trio de comediantes luso-americanos The Portuguese Kids apostaram na sua loja online de produtos portugueses, cujas vendas aumentaram 300% desde o início do confinamento. “Passei de comediante a vendedor de linguiça”, confessa Derrick DeMelo, um dos elementos do grupo, que viu todos os espectáculos de 2020 cancelados devido à pandemia.

“Quando notámos que as vendas estavam a subir, em Março, decidimos focar-nos nisto e promover o negócio”, explica. As receitas provenientes da loja permitiram ao grupo compensar o cancelamento das actividades humorísticas. Segundo o luso-americano, que compõe o trio de comediantes com Brian Martins e Al Sardinha, “sem a Shop Portuguese neste momento, os The Portuguese Kids não continuariam a existir”.

“Estou muito grato, porque provavelmente sem isto teríamos de fechar portas e abrir falência”, insiste. Os produtos mais vendidos neste momento são bolos lêvedos, chouriço, linguiça e pastéis de nata congelados, sendo que o catálogo da Shop Portuguese inclui outras categorias de produtos, desde T-shirts e aventais a canecas, livros e galos de Barcelos.

Derrick DeMelo considera que o confinamento levou as pessoas a comprarem mais produtos online. “Tornou-se uma tendência e não me parece que vá abrandar muito”, avalia, sublinhando a importância de oferecerem portes gratuitos, algo que as outras lojas do mesmo segmento não fazem.

Abril e Maio foram os meses com maiores subidas. A título de exemplo, DeMelo revela que a loja está a vender cerca de 250 a 350 quilos de chouriço por mês e cem a 200 pacotes de seis bolos lêvedos por semana. “Não somos a Amazon e temos orgulho nisso, tudo o que vendemos é autêntico”, orgulha-se. “Não é comédia, mas também está no léxico do ser português. É tudo para promover Portugal como marca e o orgulho português.”

A Califórnia e a Florida são dois dos estados de onde a loja recebe mais encomendas, mas DeMelo explica que há pedidos vindos de todo o lado, mesmo de locais distantes no Centro-Oeste do país. “É incrível ver os sítios onde os portugueses vão parar”, comenta. No entanto, não são apenas luso-descendentes que procuram a comida e produtos típicos oferecidos pela loja: “O engraçado é que estamos a receber muitas encomendas de pessoas que não são portuguesas. Compram porque foram a Portugal, que se tornou num destino turístico tremendo.”

“A popularidade de Portugal está a ajudar-nos deste lado”, refere. O trio, originário de Massachusetts, está também a manter a ligação com a comunidade através de vídeos que são lançados todas as quintas-feiras e transmissões ao vivo às quartas e sextas. “É o melhor que podemos fazer agora pelos nossos fãs.”

Apesar de o processo de desconfinamento estar em curso nos Estados Unidos, o regresso dos espectáculos ao vivo com público ainda é uma incógnita. “Prefiro esperar até que seja totalmente seguro fazê-lo. Talvez não seja possível durante muito tempo”, admite Derrick DeMelo.

Com o aumento do número de infecções em vários estados do país e a perspectiva de novas vagas no Outono, a visão é cautelosa. “Não sabemos o que vai acontecer em 2021, pode demorar muito até voltarmos à estrada.” Até isso acontecer, o foco dos comediantes estará nos vídeos e na loja online. “O que começou como uma brincadeira cresceu para algo que penso que se vai manter mesmo depois de os The Portuguese Kids desaparecerem”, constata.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 431 mil mortos e infectou mais de 7,8 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela AFP. A doença é transmitida por um novo coronavírus detectado no final de Dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Sugerir correcção