Afinal, a Forbes descobriu que Kylie Jenner não é multimilionária e tirou-a da lista

A investigação avalia a fortuna em cerca de 900 milhões de dólares e não em mil milhões de dólares. Em causa estão os valores incorrectos das receitas da Kylie Cosmetics.

forbes,celebridades,impar,kim-kardashian,redes-sociais,beleza,
Fotogaleria
A jovem lançou a sua marca de cosméticos em 2015 LUSA/RINGO CHIU
forbes,celebridades,impar,kim-kardashian,redes-sociais,beleza,
Fotogaleria
A empresa que comprou parte da marca de Jenner quer agora negociar com Kim Kardashian Reuters/EDUARDO MUNOZ

Foi em Março do ano passado que Kylie Jenner entrou na lista de multimilionários da Forbes. Com apenas 21 anos na altura, Kylie era a multimilionária mais jovem do mundo, tendo construído a sua própria fortuna de cerca de mil milhões de dólares (882 milhões de euros) graças à empresa Kylie Cosmetics. Mas agora, a publicação descobriu que a notícia foi manifestamente exagerada. A jovem e a sua mãe, Kris Jenner, que gere a sua fortuna recorreram a documentos falsos para engordarem as receitas da marca de cosmética.

A jovem modelo e empresária alegou que a Kylie Cosmetics, fundada em 2015, teve 400 milhões de dólares (352 milhões de euros) de lucro nos primeiros 18 meses, segundo a Forbes. Apesar de Kris Jenner ter mostrado os documentos que provavam as receitas, a revista desconfiou e após uma investigação concluiu que a fortuna da socialite dá-lhe apenas o 59.º lugar na lista das cem celebridades mais bem pagas do mundo, em 2017.

Meses depois, os mesmos valores que as Jenner tentaram “vender” à Forbes apareceram na revista WWD (Women's Wear Daily), também conhecida como a "bíblia da moda”. Os 400 milhões de dólares foram rapidamente publicados por outros meios, e os valores, aliados à mudança de opinião sobre os negócios de Kylie, já não pareciam tão descabidos.

Com o rápido sucesso da marca como base, a Forbes começou a calcular a fortuna de Kylie no Verão de 2018, validada por declarações fiscais e por fontes da indústria. Dois anos depois de Kim Kardashian ter sido capa da ForbesKylie foi capa da revista em Julho de 2018, tendo conquistado o 27.º lugar na lista de mulheres mais ricas do mundo que fizeram a sua própria fortuna, com o valor de 900 milhões de dólares (793 milhões de euros).

Coty compra parte da empresa de Jenner

A venda de 51% da Kylie Cosmetics à multinacional Coty, por 600 milhões de dólares (530 milhões de euros), em Novembro do ano passado, contribuiu para reconhecer o valor dos negócios de Kylie, que aumentou para 1.2 mil milhões de dólares (1.058 mil milhões de euros).

No entanto, a venda também trouxe a público os valores reais das finanças da Kylie Cosmetics. De acordo com a apresentação da Coty, as receitas dos 12 meses anteriores à compra foi de 177 milhões de dólares (156 milhões de euros), valores muito abaixo das estimativas publicadas na altura.

Ainda segundo a marca de beleza americana, as vendas tinham aumentado 40% desde 2018, o que significava que a Kylie Cosmetics apenas tinha gerado cerca de 125 milhões de dólares (110 milhões de euros) nesse ano; uma diferença de 235 milhões de dólares (207 milhões de euros) para os 360 milhões de dólares (317 milhões de euros) que as Jenner deram a entender à Forbes.

Também os valores da linha de skincare, lançada em Maio do ano passado estavam incorrectos. As receitas do primeiro mês e meio da linha rondavam os 100 milhões de dólares (88 milhões de euros), segundo dados fornecidos à Forbes pelos representantes da Kylie; os registos da Coty mostram que os valores se encaminham para chegar aos 25 milhões de dólares (22 milhões de euros), até ao final do ano.

Empresária desvaloriza investigação

Estas discrepâncias levaram a revista a questionar os valores anteriormente partilhados pelas Jenner. “Se a Kylie Cosmetics fez 125 milhões de dólares em vendas, em 2018, como é que fez 307 milhões de dólares em 2016 (como mostram as declarações fiscais) ou 330 milhões em 2017?”, questiona a Forbes.

A revista sugere duas explicações: ou o valor da empresa caiu mais de metade em apenas um ano, ou o verdadeiro valor foi exagerado. A primeira opção significaria que a Coty comprou um negócio que ficou mais pequeno do que era há uns anos pelo preço de uma marca com enorme potencial para crescer.

Especialistas contactados pela Forbes duvidam que a empresa tenha colapsado desta forma e tão rapidamente, considerando improvável que as elevadas receitas iniciais tenham desaparecido. A Coty não respondeu a perguntas relacionadas com a Kylie Cosmetics para o artigo da Forbes.

Já a segunda opção é apontada como bastante provável pela revista, que questiona a veracidade das declarações fiscais apresentadas em 2017. Para além disto, a Coty aponta um fundo, controlado por Kris Jenner, como beneficiário da Kylie Cosmetics. Inicialmente, as Jenners disseram que o fundo tinha sido criado para guardar o dinheiro ganho por Kylie antes de fazer 18 anos, sendo esta a beneficiária. Mas aparentemente o fundo foi criado muito depois do 18.º aniversário da socialite. Como as Jenners recusaram fornecer provas da data de criação do fundo e dado o histórico de incorrecções apontado pela revista, assumiu-se que o fundo, na verdade, pertence a Kris Jenner.

Assim, a Forbes concluiu que Kylie apenas detém cerca de 44,1% da empresa, e não 49%. Com esta nova informação e tendo em conta a pandemia, a revista calculou novamente a fortuna da jovem empresária. Agora, o valor não chega aos 900 milhões de dólares (793 milhões de euros), tirando-a da lista dos multimilionários. 

Em resposta à publicação da Forbes, os representantes das Jenner negaram as mentiras e declarações fiscais falsificadas, mencionadas pela revista. Também Kylie respondeu às acusações através do Twitter. “Tudo o que vejo são declarações descabidas e suposições por comprovar! Nunca pedi nenhum título nem menti por um, nunca”, pode ler-se numa das publicações

Actualmente, a Coty está em negociações com Kim Kardashian West, irmã da jovem modelo, para uma possível colaboração relativa a uma nova linha de cosméticos, segundo um documento divulgado na quarta-feira, citado pela Reuters.

Texto editado por Bárbara Wong