Ataque a maternidade no Afeganistão faz 24 mortos. Bebés entre as vítimas mortais

O ataque começou na manhã desta terça-feira quando três homens armados e vestidos com uniformes da polícia entraram no hospital de Dasht-e-Barchi, em Cabul, e começaram a disparar. As forças de segurança abateram os atacantes ao início da tarde.

,Infantil
Fotogaleria
Soldado transporta bebé para fora da maternidade que foi atacada por homens armados HEDAYATULLAH AMID/EPA
Hamid Karzai
Fotogaleria
Hospital Dasht-e-Barchi Mohammad Ismail/Reuters
Fotogaleria
Mulher chora a perda de familiares durante o ataque Omar Sobhani/Reuters
,Hospital
Fotogaleria
Bebés que perderam as mãos durante o ataque Omar Sobhani/Reuters
Fotogaleria
Bebés que perderam as mãos durante o ataque Omar Sobhani/Reuters

Um grupo de homens armados disfarçados de polícias atacou esta terça-feira uma maternidade que faz parte de um hospital gerido pela organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF) em Cabul, no Afeganistão. Entre as vítimas mortais, estão dois bebés recém-nascidos, mães que estavam na maternidade, mulheres grávidas e um número incerto de enfermeiros, reportaAl-Jazeera.

“Homens armados atacaram um hospital no distrito 13”, da capital do Afeganistão, disse Marwa Amini, porta-voz do Ministério do Interior.

PÚBLICO - Hospital Dasht-e-Barchi
Hospital Dasht-e-Barchi REUTERS
PÚBLICO -
REUTERS
Fotogaleria
REUTERS

Algumas fotografias do Ministério do Interior mostraram duas crianças mortas dentro do hospital, acrescenta a Al-Jazeera. Numa outra imagem, uma mulher aparece deitada no chão ainda a segurar o seu bebé.

De acordo com a agência Reuters, que cita fontes do Governo, o ataque começou na manhã desta terça-feira, quando três homens armados e vestidos com uniformes da polícia entraram no hospital de Dasht-e-Barchi e começaram a disparar e a atirar granadas. As forças de segurança abateram os três homens ao início da tarde. 

Não houve reivindicação imediata pelas mortes em Cabul. Os taliban,​ que afirmam ter interrompido os ataques por causa do acordo com os Estados Unidos, negaram qualquer envolvimento no que se passou na maternidade.

“Os atacantes estavam a disparar dentro deste hospital sem qualquer motivo. É um hospital do Governo, e muitas pessoas trazem mulheres e crianças para receber tratamento aqui”, disse à Reuters Ramazan Ali, um fornecedor que assistiu ao começo do ataque.

A Reuters avança que, poucas horas antes do ataque, a MSF partilhou no Twitter uma fotografia de um bebé que tinha acabado de nascer de cesariana nos braços da mãe.

Os soldados das forças especiais do Exército Nacional Afegã​ conseguiram levar várias crianças para fora do complexo, algumas envoltas em cobertores manchados de sangue. As autoridades revelaram que pelo menos 100 pessoas foram resgatadas de dentro do hospital.

MSF diz que mulher deu à luz durante o ataque

Em comunicado enviado às redacções nesta quarta-feira, a organização humanitária descreve como “doentio” o ataque contra mulheres grávidas, mães e bebés na maternidade do hospital de Dasht-e-Barchi, em Cabul.

“Enquanto mulheres grávidas e bebés procuravam assistência médica, um número desconhecido de agressores invadiu a maternidade com uma série de explosões e tiros que duraram horas”, descreve a MSF, que acrescenta que o ataque aconteceu numa altura em que os acessos aos cuidados de saúde essenciais já são limitados.

Ainda de acordo com o comunicado, uma mulher deu à luz durante o ataque e tanto a mãe como o bebé encontram-se bem. “Lamentamos a perda de vários pacientes e temos a indicação de que pelo menos um colega também foi morto. Por enquanto, ainda com incerteza, está a ser feito um esforço pela nossa equipa médica para acompanhar os recém-nascidos na maternidade, para garantir o melhor atendimento possível aos nossos pacientes e aos feridos, para fornecer atendimento psicológico ao pessoal afectado e apoio psicológico a quem está a fazer luto”, lê-se ainda na nota da organização.

Sugerir correcção