Covid-19: OMS afirma que vírus também pode afectar sistema vascular e cérebro

A Organização Mundial da Saúde confirma que se estão a verificar casos de “encefalite e outros efeitos” em doentes infectados com o novo coronavírus.

Mike Ryan voltou a apelar a uma "vigilância agressiva" para combater a propagação do novo coronavírus
Foto
Mike Ryan voltou a apelar a uma "vigilância agressiva" para combater a propagação do novo coronavírus Denis Balibouse/Reuters

A covid-19 provoca reacções inflamatórias nos sistemas cardiovascular e cerebral, além das mais frequentes complicações respiratórias, afirmou esta sexta-feira a Organização Mundial da Saúde, que defende “vigilância agressiva” com cuidados de saúde pública para controlar a pandemia.

“É obviamente uma síndrome respiratória, mas torna-se claro que numa percentagem das pessoas doentes provoca uma resposta inflamatória mais alargada, seja no sistema vascular seja em outras partes do corpo”, declarou o director executivo do programa de emergências sanitárias da organização, o irlandês Mike Ryan, na conferência de imprensa da OMS desta sexta-feira.

Questionado sobre um estudo da Universidade de Zurique que aponta para que a covid-19 provoque uma inflamação sistémica dos vasos sanguíneos do corpo, Mike Ryan afirmou que também estão a verificar-se casos de “encefalite [inflamação do cérebro] e outros efeitos” em pessoas contaminadas com o novo coronavírus.

“É por isso que é tão importante recolher informação clínica por todo o mundo”, porque “os efeitos vasculares estão aí, são reais e precisam de ser mais estudados”, defendeu, acrescentando que as doenças emergentes que têm surgido “tendem a provocar uma reacção muito mais disseminada que pode afectar vários órgãos”.

Por vezes é preciso passarem “dezenas ou até centenas de anos” para uma doença se tornar “endémica com um órgão a ser mais afectado do que outros”, exemplificando com o sarampo, que é normalmente entendida como uma febre com reacção cutânea mas que “numa criança que não foi vacinada, que está mal nutrida”, pode afectar olhos, fígado ou o cérebro e provocar reacções “bastante assustadoras”.

Contudo, ressalvou, a covid-19 “ainda está a provocar principalmente uma síndrome respiratória, tragicamente repetida todos os dias em unidades de cuidados intensivos em todo o mundo”, com “danos comprovados nos tecidos pulmonares”.

Respondendo a outra questão sobre análises às águas residuais para aferir as taxas de anticorpos na população, Mike Ryan afirmou que se está a correr o risco de “procurar respostas para perguntas que não vão resolver o problema” da pandemia.

“Parece que estamos a querer evitar a desconfortável verdade de que precisamos é de regressar ao básico: vigilância baseada nos princípios de saúde pública”, declarou. “Devemos voltar a onde devíamos ter estado há meses: encontrar casos, rastrear contactos, testar casos, isolar casos, pôr pessoas infectadas de quarentena”, considerou o epidemiologista.

Mike Ryan afirmou que a experiência tem mostrado que os países que conseguiram controlar a pandemia sem precisar de restrições em massa às movimentações da população o conseguiram com “vigilância agressiva seguindo quer os direitos humanos quer os princípios da saúde pública”.

É precisa uma “estratégia completa” para informar as pessoas dos riscos que correm e permitir-lhes reduzi-los e “sistemas de saúde fortalecidos” com capacidade para tratar dos casos que apareçam, defendeu, além de uma vacina, actualmente ainda em investigação.

Nos países que conseguiram controlar com sucesso a transmissão comunitária do vírus, reiterou que é preciso uma transição “lenta e controlada” para sair das restrições aplicadas à população, sob pena de voltarem a acontecer surtos, como no caso de Singapura, onde, referiu, levantadas as restrições, o vírus voltou a atacar, sobretudo em dormitórios onde vivem estrangeiros.

Numa altura em que se aproxima o Verão, tradicionalmente altura de concertos e outros encontros de massas, é preciso aceitar que as restrições a grandes concentrações de pessoas terão que manter-se, salientou. Nesses contextos, “é muito mais difícil garantir a segurança”. Embora não haja nunca “risco zero”, é preciso tomar medidas que “reduzam o risco ao mínimo absoluto e, depois de o aceitar, mitigar o risco que ainda persiste”, advogou.

No caso do desporto de massas, por exemplo, “talvez os jogos possam voltar a acontecer, mas os espectadores tenham que ficar em casa mais tempo”.

Sugerir correcção