Capas para pranchas feitas com fatos de surf? Inês salva tecidos “em fim de vida”

Inês Catarino divide o seu tempo entre o mar e o atelier, em Peniche. Os produtos da marca Flahica são feitos a partir de fatos de surf velhos e restos de tecidos.

Foto
Daniel Espírito Santo

As capas para pranchas de surf são o produto principal da marca Flahica, mas também há capas para portáteis ou telemóveis, carteiras, pantufas, chinelos, sacos e alças para máquinas fotográficas, colchões de ioga e mochilas. Tudo isto feito a partir de neoprene reaproveitado de fatos de surf já demasiado velhos para serem usados e restos de tecidos vintage de colecções ou armazéns.

Dizem que regressamos sempre à terra, mas Inês Catarino regressa sempre ao oceano. “Sempre tive um amor muito forte pelo mar”, confessa ao P3. O surf está na sua vida desde miúda”: quando ia de férias com os pais, adorava apanhar as ondas – “nem que fosse numa pranchinha daquelas de esferovite na brincadeira” – e escolhia sempre as revistas de surf quando passavam no quiosque para comprar algo para ler na praia. Na altura, ainda nem sabia o que era subir a uma prancha, mas já tinha “aquela paixão pelo surf e a vontade de começar a surfar”. Não demorou muito até começar a fazer bodyboard com os amigos e, mais tarde, “a surfar mesmo”.

Da prática do desporto até desatar a fazer capas de surf “foi uma coisa muito natural”, ainda que tenha acontecido por etapas. “Sempre soube costurar o básico, aprendi com a minha mãe e com a minha avó”, conta. Um dia, estava sentada num bar da praia com amigos, entretida a costurar uma mala, quando um amigo a desafiou para fazer uma capa para a longboard que tinha acabado de comprar. Desafio aceite: a capa foi feita e mais pedidos começaram a surgir.

Foto
Daniel Espírito Santo

Umas semanas depois, Inês partiu para a Austrália – porque, de facto, regressa sempre ao mar. Jogou andebol durante muitos anos e até integrou a Selecção Nacional, mas abandonou o desporto porque o seu coração pertencia a outro. Ainda ingressou em Medicina com o estatuto de atleta de alta competição e concluiu o curso, mas sentiu que não estava destinada a exercer. “Então decidi fazer um ano sabático, para tentar perceber o que realmente queria fazer da vida e comecei a dar aulas de surf.” Na Austrália, quis “saber e aprender mais” sobre surf e tirou um pequeno curso para melhorar a qualidade das suas aulas. A fazer a mala para a viagem de regresso, usou o fato para proteger o portátil e concluiu que o material poderia sem bom para o efeito. Já em casa, costurou uma capa para o seu computador e apercebeu-se do que tinha em mãos.

Aos poucos, nascia assim o projecto Flahica. Baptizado com a alcunha que usava para se registar em videojogos em miúda, Inês, agora com 32 anos, explica como o trouxe ao mundo. “Os surfistas têm muitos fatos velhos em casa que já não usam e nem sabem o que fazer com eles. Sendo instrutora de surf, também comecei a perceber que as escolas precisam de renovar os fatos e que não dá para reparar tudo, então acabam por ir para o lixo, quando o neoprene em si ainda pode ser usado.” Reutilizar e dar uma nova vida a estes tecidos pareceu-lhe uma boa oportunidade – e uma boa solução ecológica. Nas peças mais pequenas usa neoprene e forra com tecidos vintage; nas capas para as pranchas também usa esponja normal, “senão ficariam muito pesadas”.

Daniel Espírito Santo
Daniel Espírito Santo
Fotogaleria
Daniel Espírito Santo

Os materiais vêm de vários sítios. Inês diz que muitas pessoas já conhecem o projecto e contactam-na para lhe trazerem fatos de surf antigos; outras vezes, é ela que faz recolhas na zona onde vive, em Peniche. Os tecidos também são muitas vezes oferecidos – “muita gente já me traz roupa antiga que já não consegue usar e nem dá para reparar de tão rota”. Paralelamente, compra material a armazéns, tecidos de colecções antigas ou tecidos que têm alguma mancha e não podem ser vendidos. Reutilizar materiais é a essência de Flahica e, por isso, tudo pode ser aproveitado, nem que seja “apenas um pedaço”. Também tem uma parceria com a Circular Wear, “que é um projecto de swap spots para partilha e troca de roupa”. As peças que “já estão mesmo em fim de vida” são entregues a Inês para ela as reciclar.

Tendo começado no início de 2017, Inês já tem um atelier, o seu “espacinho” numa garagem arrendada na freguesia de Ferrel. “Os clientes podem contactar-me e passar cá, escolher os tecidos que querem, falar comigo, ver um bocadinho do processo. É tudo muito acolhedor.” Admite que já fez “um pouco de tudo”. Como o seu serviço é bastante personalizado, cada produto depende “do que o cliente necessita”. As pantufas e chinelos que começou a desenvolver recentemente ainda só têm neoprene e tecidos vintage, mas está a “tentar arranjar uma sola sustentável para se poder andar na rua e não ser só chinelo de casa”. Também está numa fase inicial da elaboração de botas e está a pensar “criar uma espécie de bolsinha térmica para as garrafas de água reutilizáveis. “E vão surgindo sempre ideias novas.”

Para lá de manter sozinha a marca, Inês Catarino é instrutora de surf — como freelancer, mas sobretudo para o Surfers Lodge de Peniche. A pandemia do novo coronavírus deixou as aulas em stand-by, mas a agulha de Inês nunca parou de coser. Os pedidos de ajuda ouvidos pelo país todo também foram ouvidos no atelier de Peniche: Flahica está agora a costurar máscaras para oferecer a quem delas precisar.

O negócio continua – e agora com ainda mais tempo disponível. Pelo Facebook ou pelo Instagram (“estou a desenvolver o meu website ainda”), a porta está sempre aberta para encomendas, enviadas para todo o país e mundo. Os preços variam entre os 15 euros (capas de telemóvel) e as 85 euros (as capas das pranchas das pranchas mais pequenas). Inês Catarino está desejosa de voltar ao mar, mas não está preocupada: sabe que a ele sempre regressa.