Governo aumenta em 50% número de cabazes alimentares distribuídos em Maio

A distribuição vai recorrer Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas, um projecto sustentado por verbas europeias negociado pelo Governo de Passos Coelho.

Apoio vai ser feito por intermédio de instituições sociais
Foto
Apoio vai ser feito por intermédio de instituições sociais Rui Gaudencio

O Governo vai entregar 90 mil cabazes alimentares a famílias em dificuldades através de instituições sociais, abrangendo casos que resultam da pandemia da covid-19, como trabalhadores em situação de layoff ou desempregados. A notícia é avançada pelo Expresso, que acrescenta que o projecto vai ser custeado por verbas europeias negociadas nos tempos da troika, para ajudar a combater a crise que o país vivia na altura.

O semanário explica que a pressão social provocada pela pandemia obrigou o governo a reforçar o programa de assistência alimentar. A distribuição dos 90 mil cabazes prevista para Maio representa um aumento de 50% no número de cabazes distribuídos no início do ano – eram assistidas 60 mil famílias por mês até Março, sendo que em Abril os cabazes já chegaram a 60 mil casas.

A distribuição vai ser feita através do Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas (POAPMC), um projecto financiado por verbas europeias negociadas pelo Governo de Passos Coelho com a Comissão Europeia, na altura chamado Programa Comunitário de Assistência Alimentar a Carenciados. O programa previa a atribuição de 200 milhões de euros para combater a crise social portuguesa através da criação de cantinas sociais e da distribuição de alimentos.

Em 2018, depois da recuperação económica e com a mudança de Governo, foi aprovada uma verba de 220 milhões para utilizar até 2023, com que foi criado um novo projecto para apoiar as mais de 600 instituições sociais que distribuem alimentos às famílias mais carenciadas.

Sugerir correcção