Covid-19: Governo cria novas estruturas de emergência para vítimas de violência doméstica

As duas estruturas de acolhimento temporário têm espaço para 100 pessoas.

Foto
A campanha #SegurançaEmIsolamento foi criada para alertar as vítimas dos contactos que têm para pedir ajuda Paulo Pimenta

O Governo vai abrir duas novas estruturas temporárias de acolhimento de emergência, com vagas para 100 pessoas, para apoiar vítimas de violência doméstica durante a pandemia de covid-19.

A informação foi divulgada num comunicado da Secretaria de Estado para a Cidadania e Igualdade, esta segunda-feira. As duas valências de acolhimento juntam-se às 65 estruturas já existentes e que estão em pleno funcionamento. A gestão dos espaços será feita por entidades com experiência de intervenção nesta área, que articulam com as autoridades de saúde para agilizar a realização de testes à covid-19.

As novas estruturas também dispõem de quartos de isolamento, para respeitar as medidas de contenção de resposta à pandemia covid-19. Trata-se de uma das medidas do Governo para fazer face à actual situação de isolamento social imposta, tendo sido desencadeado no início de Março um plano coordenado de contingência em matéria de prevenção e combate à violência doméstica em articulação com a Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica.

A intervenção assenta em duas dimensões: no reforço da capacidade de resposta da Rede Nacional de Apoio às Vítimas de Violência Doméstica (RNAVVD) e na divulgação de informação para consciencialização social dos riscos acrescidos de violência e sobre os serviços de apoio e canais para pedir ajuda.

O abastecimento de bens e recursos essenciais para as estruturas é assegurado através de parcerias com a Associação Nacional de Empresas de Distribuição, Lidl, Mercadona, Missão Continente, Siemens, REN e XpanI.

O plano do Governo inclui também a criação e reforço dos meios de atendimento à distância, o reforço do atendimento telefónico, a monitorização das situações em acompanhamento com maior regularidade, a designação de uma equipa para situações e pedidos de urgência, atendimento presencial em situações urgentes, com equipas em rotatividade, e a articulação com as autarquias caso exista necessidade de acolhimento urgente.

Relativamente à divulgação de informação para consciencialização social dos riscos acrescidos de violência, a Secretaria de Estado refere que foi lançada a Campanha #SegurançaEmIsolamento nas redes sociais, televisões, rádios e imprensa e reforçados os canais para as vítimas pedirem ajuda. Os pedidos de ajuda podem ser feitos para o Serviço de Informação a Vítimas de Violência Doméstica - 800 202 148, gratuito e a funcionar 24 horas por dia.

Sugerir correcção