Governo avança com indultos e alterações à execução de penas para resolver problema nas prisões

A execução do novo período de estado de emergência deverá sofrer alterações que permitam conter os portugueses em casa. “Esta Páscoa vai mesmo ser diferente”, garantiu António Costa.

Foto
António Costa deu a entender um endurecimento de regras durante a Páscoa LUSA/ANTÓNIO COTRIM

O Governo vai propor ao Presidente da República “um conjunto de indultos” a presos, “por razões humanitárias”, apresentará à Assembleia da República uma alteração à lei de execução de penas e vai deixar aos juízes de execução de penas a capacidade de “tomarem decisões concretas”, em relação aos “casos concretos”.

Estas três medidas foram anunciadas quarta-feira o primeiro-ministro, António Costa, no final do Conselho de Ministros extraordinário que de “deliberou dar parecer positivo” ao decreto de renovação do estado de emergência, por mais quinze dias, que o Presidente da República assinará quinta-feira, após a necessária autorização do Parlamento.

António Costa não quis adiantar pormenores sobre o diploma de competência do Presidente da República, mas o PÚBLICO sabe que o decreto da renovação do estado de emergência terá pequenas alterações. Mais substanciais deverão ser as que o Governo adoptará no decreto de execução do estado de emergência que será aprovado em Conselho de Ministros, amanhã, quinta-feira, à tarde.

Não deverá, contudo, haver um agravamento pesado das medidas restritivas. O primeiro-ministro garantiu que o novo quadro de execução do estado de emergência terá normas que possibilitarão “maior contenção com menor perturbação”. Garantiu que todas as decisões serão tomadas “a par e passo” os números de novos contaminados e o evoluir da curva, incluindo o regresso à normalidade, mas alertou: “Não podemos ser precipitados.” Acrescentando: “Ainda não é o momento de ver a luz ao fundo do túnel. Sabemos que no fundo do túnel há uma luz, mas ela ainda não está à vista.”

Considerando que “o comportamento dos portugueses tem sido exemplar, com raríssimas excepções”, o primeiro-ministro defendeu que é necessário manter “a máxima intensidade na autodisciplina do cumprir de regras”, uma vez que se deve “a este esforço”, o facto de ser “menos forte” nos últimos dias o crescimento do número de doentes com covid-19.

Foi nesse sentido que voltou a referir-se ao período das férias da Páscoa e à celebração da quadra pascal. “Tenho insistido que este mês é o mês decisivo para controlar a pandemia”, referiu António Costa, sublinhando que se vive um momento em que “as pessoas estão a perder rendimento” e em que começam a revelar “cansaço” por estarem confinadas em casa.

“Esta Páscoa vai mesmo ser diferente”, avisou o primeiro-ministro. Ou seja, não poderá haver deslocações “à terra”, nem para “segundas habitações”. António Costa referiu ainda que nesta quadra “as famílias têm de se separar”. E apelou aos emigrantes portugueses que “desta vez passem a Páscoa nos países onde residem”.

Sobre a reabertura das escolas e como decorrerá o terceiro período, o primeiro-ministro repetiu que essa questão será avaliada no dia 9 de Abril, tal como foi anunciado no acto do encerramento de todos os estabelecimentos de ensino a 16 de Março.

Para essa decisão será decisiva a informação sobre a evolução da pandemia em Portugal que será dada na reunião do Infarmed no dia 7. Mas António Costa anunciou que tinha pedido à Direcção-Geral de Saúde que seja feita uma avaliação específica sobre “a abertura das escolas e a continuação ou ano lectivo”.