Coronavírus: “Fiquem definitivamente em casa”, apela Protecção Civil

Protecção Civil diz que o país está todo em alerta amarelo, à excepção de três distritos: Porto, Aveiro e Lisboa estão em alerta laranja, por terem mais casos registados.

Foto
Paulo Pimenta

A poucas horas de Portugal entrar na fase de mitigação da covid-19, a Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) anunciou que colocou em alerta laranja (o segundo mais grave da escala) os distritos de Lisboa, Porto e Aveiro devido à maior incidência dos riscos e dos casos do novo coronavírus - inicialmente, o comandante nacional da Protecção Civil, Duarte Costa, referiu Braga, corrigindo depois para Aveiro.

Os restantes distritos do país estão em alerta amarelo. Em conferência de imprensa, Duarte Costa, fez um apelo ao país: “Fiquem definitivamente em casa”.

​"Cada pessoa que ficar em casa e interromper a cadeia de infecção é uma pessoa que contribui para que haja menos infectados. Logo, contribui para que haja menos portugueses a ficarem doentes e, no limite, menos portugueses irão morrer por causa da covid-19”, sublinhou o comandante nacional, aproveitando a conferência para um apelo sério ao país.

Duarte Costa explicou também que a elevação do estado de alerta amarelo para laranja serve para garantir uma maior prontidão e disponibilidade dos meios da Protecção Civil. 

PÚBLICO -
Foto
AUTORIDADE NACIONAL DE PROTECÇÃO CIVIL

O que é o estado laranja?

O estado laranja é atribuído quando a Protecção Civil considera que existe uma “situação de perigo, com condições para a ocorrência de fenómenos invulgares que podem causar danos a pessoas e bens, colocando em causa a sua segurança.

No total, existem cinco níveis progressivos de estado de alerta: um estado de alerta normal (verde) e quatro estados de alerta especial (azul, amarelo, laranja e vermelho), que determinam o reforço da monitorização e incremento do grau de prontidão do dispositivo, explica a Protecção Civil.

O plano de emergência de protecção civil funciona como um instrumento de gestão operacional fundamental para o sistema de protecção civil e pretende facilitar que “os mecanismos de coordenação institucional e gestão operacional, de uma forma mais concertada do que seria possível antes”.

A ANEPC avançou também que estão activos dez planos distritais em todo o país: Aveiro, Bragança, Faro, Coimbra, Leiria, Porto, Santarém, Vila Real e Viseu. No entanto, “esta não é uma contabilidade final” e está sujeita a uma constante avaliação dos autarcas e coordenadores locais da Protecção Civil.