Fotografia

Que erros se cometeram no combate à peste bubónica, no Porto de 1899?

Êxodo em massa, cortes no abastecimento à cidade, vaga de desemprego, cepticismo e grandes ajuntamentos públicos precipitaram o Porto e o país para um cenário de caos que permitiu uma maior propagação desta doença.

Reunião de comerciantes e homens de negócios do Porto, no Palácio da Bolsa, para discutir o impedimento à economia da cidade provocada pelo cordão sanitário CENTRO PORTUGUÊS DE FOTOGRAFIA
Fotogaleria
Reunião de comerciantes e homens de negócios do Porto, no Palácio da Bolsa, para discutir o impedimento à economia da cidade provocada pelo cordão sanitário CENTRO PORTUGUÊS DE FOTOGRAFIA

Passaram-se mais de 120 anos desde a terceira vaga da peste bubónica que afectou a cidade do Porto, em 1899. Olhando para trás, hoje em plena pandemia de covid-19, o que mudou no que toca a medidas de contenção de doenças? Quais foram os erros cometidos pelas entidades públicas, comunidade médica e cidadãos portuenses que conduziram ao aumento do número de infectados e, consequentemente, de mortos na sequência deste surto?

Os primeiros casos surgiram em Agosto de 1899, com epicentro na Rua da Fonte Taurina, na Ribeira do Porto. Após estalar a notícia do surto, a primeira reacção popular foi a de êxodo, como pode ler-se na tese de mestrado de David Pontes, director-adjunto do PÚBLICO, sobre o tema. Milhares de pessoas, temendo não a doença, mas os cortes no abastecimento de alimentos e bens de primeira necessidade, abandonaram a cidade – expondo assim o restante território ao perigo de contágio. Este foi o primeiro erro.

O governo local não tardou a fechar as fronteiras da cidade, por terra e por mar. Cerca de 2.500 militares de infantaria garantiram a eficácia do cerco, que duraria até à véspera de Natal de 1899. O condicionamento da entrada e saída de mercadorias precipitou a suspensão da actividade fabril e os despedimentos seguiram-se, originando uma onda de alarme e desespero entre a população.

No centro do Porto, as operações de desinfecção de habitações multiplicavam-se. As casas onde se registaram vítimas foram queimadas, deixando alguns moradores desalojados, como é visível nas imagens de arquivo cedidas pelo Arquivo Municipal do Porto. Gerou-se uma onda de cepticismo relativamente à existência da doença, o que conduziu os cidadãos para as ruas, em protesto, em grandes aglomerados. Várias equipas de controlo sanitário foram apedrejadas no decorrer da sua actividade.

A 24 de Agosto, centenas de comerciantes e homens de negócios do Porto reuniram-se no Palácio da Bolsa, para discutir os impedimentos provocados pelo cordão sanitário à economia da cidade, evento captado por Aurélio da Paz dos Reis. A epidemia tornou-se conhecida e expôs, internacionalmente, as parcas condições de vida dos moradores da zona da Ribeira. Casas escuras, pouco ventiladas e sobrelotadas potenciavam a disseminação do bacilo de Yersin. Foram 182 as vítimas mortais deste surto, só no Porto. A epidemia estendeu-se a outras cidades portuguesas e estrangeiras, causando ainda mais baixas.

Brigada de desinfecção nas ruas do Porto, 1899
Brigada de desinfecção nas ruas do Porto, 1899 Aurélio da Paz dos Reis — CENTRO PORTUGUÊS DE FOTOGRAFIA