Reféns na fronteira. O desespero de quem espera entre Portugal e Espanha

Impedidos de passar, muitos turistas estrangeiros desesperam. Apenas os camiões iam conseguindo passar. Toda a fronteira entre Portugal e Espanha está agora sob vigilância.

,Minivan
Fotogaleria
Caia,Caia Miguel Manso,Miguel Manso
,Carro de tamanho médio
Fotogaleria
Caia Miguel Manso
,furgão
Fotogaleria
Caia Miguel Manso
Veículo de luxo
Fotogaleria
Caia Miguel Manso
,Carro
Fotogaleria
Caia Miguel Manso
Fotogaleria
Valença Tiago Lopes
Fotogaleria
Valença Tiago Lopes
Veículo comercial
Fotogaleria
Valença Tiago Lopes
Carro
Fotogaleria
Valença Tiago Lopes
,Carro
Fotogaleria
Valença Tiago Lopes

No posto de turismo de Caia, em Elvas, num largo parque de estacionamento vão-se acumulando os carros e autocaravanas de turistas que estavam em Portugal e querem voltar para casa. Desde as 23h00 que a fronteira espanhola está fechada para turistas e à hora de almoço já são umas dezenas de viaturas bloqueadas neste posto fronteiriço improvisado.

Gérard Creuzê e a mulher Michelle, franceses reformados na casa dos 70, estavam no Algarve há dois meses. O parque de campismo onde estavam instalados fechou e por isso querem regressar a casa.

“Os parques em Portugal fecharam. Os espanhóis não querem que atravessemos o seu território. A proposta foi ficarmos neste parque de estacionamento. Sentimo-nos reféns. Afinal, estamos na Europa ou num país do terceiro mundo?”, questionam.

Noutra caravana, Robert e Mary Frazer, reformados escoceses, aguardam serenamente uma solução. Têm passagem no Eurotúnel marcada para daqui a uma semana e não querem perder a viagem. Robert, 72 anos, ex-administrativo do serviço nacional de saúde britânico, não compreende o que considera ser um fecho “cego” da fronteira. A informação que lhes foi dada é que poderão ter de esperar um mês até poderem voltar para casa. Têm condições para esperar, mas não percebem porquê.

Na zona Norte, a fronteira de Valença foi a que registou mais movimento no primeiro dia de encerramento. Até às 12h de terça-feira, as autoridades portuguesas tinham verificado mais de mil viaturas. A maioria era pesados de mercadorias, como explicou aos jornalistas António Lima, inspector-chefe do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

“A cada viatura que passa é requisitada a identificação [do condutor e da carga]. Esta é uma zona industrial, o que faz com que existam muitos camiões com mercadorias e trabalhadores transfronteiriços”, explicou o responsável, justificando a elevada afluência de veículos.

Juntamente com o SEF, a Guarda Nacional Republicana (GNR) e as entidades de saúde colaboravam nestes controlos. Do lado espanhol, as operações estavam sob alçada da Guardia Civil. A meio da manhã as autoridades espanholas foram obrigadas a agilizar as verificações: por volta das 10h, a fila de camiões a aguardar vistoria para entrar em Espanha atingia já vários quilómetros, com tempos médios de espera a rondar os 60 minutos.

Num curto espaço de tempo, as centenas de camiões alinhados em fila tiveram autorização para entrar no país. As longas filas desapareceram e a calma voltou ao posto fronteiriço. Mas esta aceleração na fiscalização colocou em causa o protocolo de segurança na parte espanhola? O inspector-chefe do SEF, António Lima, preferiu não comentar a actuação das autoridades homólogas: “Essa é uma pergunta a que não vou poder responder. [No lado português] Estamos a tentar cumprir ao máximo o que nos foi estipulado.”

Apesar da fiscalização ser semelhante no conteúdo, podiam ser observadas algumas diferenças na actuação das duas forças da autoridade. Munidos de luvas e máscaras, as autoridades portuguesas faziam questão de manter a distância de precaução para os veículos. No lado espanhol, a Guardia Civil não tinha máscaras de protecção.

Em Vila Verde da Raia, no concelho de Chaves, a passagem terrestre para o país vizinho também foi encerrada. Ao que o PÚBLICO apurou, o fluxo de trânsito diminuiu face aos restantes dias da semana pelo facto de os habitantes estarem cientes destas restrições. Muitos costumam regularmente aproveitar o preço mais baixo dos combustíveis em Espanha para abastecerem as viaturas. Contudo, a partir desta terça-feira, tal deixou de ser possível com esta medida conjunta dos governos dos dois países. Os que tentaram, ainda assim, fazer a travessia, foram mandados regressar e impedidos de sair.

Também em Quintanilha, no concelho de Bragança, as operações decorreram com normalidade, confirmou o PÚBLICO junto de fonte da autarquia.

Tudo fechado

No sul do país, a fronteira que delimita a região alentejana e a região algarvia, foi encerrada nas localidades de Marvão, Caia, Vila Verde de Ficalho e Castro Marim. No entanto vários municípios decidiram encerrar mais passagens fronteiriças.

Assim, no norte alentejano, a Câmara de Portalegre procedeu ao corte da ligação entre a estrada municipal 1044 (Rabaça – S. Julião) e a Extremadura espanhola. A Câmara de Marvão interditou a circulação nos caminhos municipais Galegos/La Fontañera e São Julião/Codosera. Campo Maior fechou Ouguela/Albuquerque e Retiro/Badajoz e o município de Arronches encerrou o caminho municipal 1107, que liga a povoação de Parra à localidade espanhola de La Tojera, Esperança/Toujeirinha. A interdição da circulação nos caminhos irá “vigorar por tempo indeterminado”.

A norte do distrito de Beja, a fronteira que liga Barrancos a Encinasola foi igualmente encerrada mas só depois do presidente da câmara, João Serranito, ter reunido com o alcaide de Paymogo para aplicar as decisões tomadas pelos dois governos.

A Câmara de Serpa após acordo com o alcaide de Paymogo (Espanha) encerrou ao trânsito às 14h30 desta segunda-feira, a estrada municipal 520, colocando blocos de betão à entrada da ponte construída pelos dois países para ligar São Marcos (Serpa) e Paymogo.  

A ponte de Pomarão que faz a ligação entre Mértola e a povoação espanhola de El Granado, também foi encerrada. Para além deste ponto fronteiriço, foi interditado o acesso a Espanha pelo lugar conhecido de Volta Falsa, na Freguesia de Corte do Pinto.

As fronteiras de Vila Verde de Ficalho (Serpa) e Rosal de la Frontera e da Ponte Internacional do Baixo Guadiana, na ligação de Pomarão (Mértola) e o El Granado (Espanha) já estão a ser controladas por militares da Guarda Nacional Republicana (GNR) e da Guardia Civil (GC).

Para além destes pontos fronteiriços, existem outros locais de passagem, alguns deles formados pelas redes de contrabando que ao longo do século XX mantiveram o comércio clandestino entre os dois países ibéricos e que não estarão a ser controlados pelas autoridades dos dois países.

O encerramento das fronteiras estará em vigor até 15 de Abril, embora no dia 9 do próximo mês seja feita uma avaliação sobre a necessidade de prorrogar.