André Henriques arruma o passado a solo

Nunca tinha pensado em gravar um disco em nome próprio. Mas o homem dos Linda Martini viu-se com duas canções no colo e decidiu assumir que o seu mundo não se esgota na banda de sempre.

Foto
Joana Linda

André Henriques ainda não conseguiu tirar do corpo uma certa obrigação de se sentir produtivo. Foram muitos anos, 14 ou 15, a trabalhar no mundo das grandes empresas de consultoria, com muito pouco espaço para as suas próprias escolhas, e em que a sua vida enquanto músico dos Linda Martini foi-se tornando um pequeno fix semanal cada vez mais necessário. Era “um daqueles trabalhos que nos arrancam a pele”, descreve, frequentemente sem direito a folgas durante os fins-de-semana e sem horário de saída. Durante muito tempo, foi conciliando essa “escravidão” laboral com a música porque a sua ética de quem cresceu num meio musical herdeiro do punk o formara para sentir que a música devia ser apenas fonte de prazer — e não geradora de rendimento para pagar as contas.

Sugerir correcção
Comentar