Na Alemanha, gritou-se “Nazis, fora!” perante o racismo nas bancadas

Jogador alemão de ascendência africana foi insultado por um adepto que foi prontamente denunciado por outros espectadores. “Obrigado pela vossa humanidade”, agradeceu Leroy Kwadwo.

Foto
DR

Um jogo da terceira divisão germânica ficou marcado na sexta-feira por mais um incidente racista, tal como ficaria manchada, 48 horas depois, em Guimarães, a partida entre o Vitória e o FC Porto, onde Moussa Marega foi o alvo. No entanto, a reacção ao que aconteceu no estádio do Preussen Münster foi bastante diferente daquela que se registou no D. Afonso Henriques.

Decorria o minuto 85 da partida entre o Münster e os Würzburger Kickers quando Leroy Kwadwo, defesa da equipa visitante e cidadão alemão de ascendência ganesa, foi alvo de insultos racistas por parte de um adepto do conjunto anfitrião. 

O infractor foi imediatamente identificado e denunciado por outros espectadores na bancada, que apontaram o dedo ao autor dos insultos. Este acabou por ser expulso do estádio sob uma vaia, ouvindo-se “Nazis, fora!”.

Em campo, tanto colegas de equipa como adversários de Kwadwo abraçaram e cumprimentaram o jogador numa demonstração de solidariedade. Este continuou em campo, embora visivelmente abalado pelo incidente. Contudo, mais tarde, e em declarações ao canal de televisão germânico ZDF, Kwadwo defendeu o abandono do jogo como uma forma de protesto legítima perante insultos racistas: “O futebol tem muito poder. Devemos unir-nos e dizer que não vamos tolerar isto, que assim não vamos jogar”.

O jogador alemão de ascendência africana tinha já recorrido às redes sociais para comentar o sucedido, e sobretudo para agradecer aos adeptos da equipa adversária, bem como aos restantes atletas.

“Tenho uma cor de pele diferente, mas nasci aqui, neste país maravilhoso que me deu tanto e tornou tantas coisas possíveis para mim e para a minha família. (…) Gostaria de agradecer a todas as pessoas no estádio, aos responsáveis e aos jogadores do Preussen Münster, e especialmente à minha equipa, que me defenderam imediatamente. A vossa reacção foi exemplar – vocês não imaginam o que isto significa para mim e para todos os outros jogadores de cor. (…) Obrigado pela vossa humanidade”, escreveu Kwadwo, jogador de 23 anos que já alinhou pelas reservas do Schalke 04 e do Fortuna Düsseldorf.

Sugerir correcção