Opinião

A consciência de Pinóquio da democracia

Nos dois assuntos que tratei em que Isabel dos Santos estava diretamente interessada nada ocorreu que fosse censurável no seu comportamento, nada me pediu que fosse ilegal ou não ético. Dava jeito a qualquer grilo falante que assim não fosse

João Miguel Tavares criou um fonds de commerce de que vive. Assumiu-se como uma espécie de consciência de Pinóquio, que distribui ad hominem estatutos, papéis e reputações. Como é inteligente e escreve bem, sabe que desse modo gera respostas, alimenta a discussão e alimenta-se disso. É a vida dele e desejo que seja muito feliz. E, reconheço, gosto de o ler quando concordo e mesmo quando discordo. Por isso aqui estou a dar para o peditório. Mas só uma vez. Com resignação aceito que a inevitável réplica dele e as futuras mais pequenas réplicas (por exemplo quando lhe falte tema) fiquem a pairar no éter sem contraditório. Será para desconto dos meus pecados.

Antes do mais um desmentido. Não é verdadeira a sua frase de que “acusei o toque” de ele me ter comparado a Daniel Proença de Carvalho. No seu texto que ressuscitou dos arquivos essa comparação orgulhava-me, pois ele é um dos advogados mais brilhantes do nosso tempo. Quem acusou o toque do que ele escreveu foi um amigo comum, que me conhece e fez questão em nos convidar para um almoço para que JMT me ficasse a conhecer melhor. Com isso, quem sabe, talvez ele tivesse uma micro Estrada de Damasco e percebesse que eu não merecia que para aumentar o seu fonds de commerce me transformasse num dos seus “Bey de Tunes”. Pelo visto não valeu a pena, mas a conversa com o justiceiro foi divertida e a comida era boa. Não se perdeu tudo, realmente.

Dito isto, JMT tem direito à sua opinião, e a achar que eu tenho de pagar um preço reputacional (que ele fixará sem apelo nem agravo quando quiser, como é óbvio)  por ter dito sobre Isabel dos Santos  coisas óbvias como “estamos longe de saber tudo”, “era prudente que houvesse mais prudência” e “não podemos olhar para o passado com os olhos do presente”; e também por, há anos, ter dito que Ricardo Salgado, Henrique Granadeiro e Zeinal Bava eram “excelentes profissionais em qualquer parte do mundo”. Aceito pagar esse preço reputacional, como muitos outros que estarão na lista de JMT e ao menos um ou outro admirado por e admirante de JMT. Mas, seja como for, como não o pagar o preço que o plumitivo me impuser, se é isso que penso?

Do alto do seu nariz de Pinóquio, diz também que o meu comentário há dias “desmereceu a [minha] própria inteligência” e que lhe dei “a visão deprimente de um homem muito esperto a fazer-se passar por muito lerdo”. Peço desculpa por o ter deprimido (não era essa a intenção do que disse na SIC Notícias); mas acho que a depressão lhe passou rápido ao investir nisso. Devia ter-me agradecido por com isso ter podido reforçar o seu fonds de commerce. Mas fico contente em ter ajudado.

Uma última palavra. Nos dois assuntos que tratei em que Isabel dos Santos estava diretamente interessada nada ocorreu que fosse censurável no seu comportamento, nada me pediu que fosse ilegal ou não ético. Dava jeito a qualquer grilo falante que assim não fosse. Mais uma vez peço desculpa por causar outra depressão.

Eu sei que o original grilo falante acharia que não deve ser defendido quem o grilo achasse que não o merece. Mas JMT não pode estar de acordo com isso. O que seria, nesse caso, do seu fonds de commerce?

Sugerir correcção