Nuno Melo desfaz tabu e apoia João Almeida

Eurodeputado retira da votação a sua moção de estratégia e apela à unidade. Mas garante que o líder tem que ser deputado.

Marcus Antonius
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Na apresentação final da sua moção de estratégia, este sábado, no 28.º Congresso do CDS, em Aveiro, Nuno Melo desistiu de ir a votos e declarou o apoio a João Almeida, apelando a que haja entendimento entre este candidato a presidente do partido e outros dois candidatos: Francisco Lobo d’Ávila e Francisco Rodrigues dos Santos. Quando Nuno Melo falou e apoiou Almeida, já Abel Matos Alves, Carlos Meira, Pedro Borges Lemos e Miguel Matos Chaves e a Juventude Centrista tinham decidido apoiar Rodrigues dos Santos.

Nuno Melo anunciou que decidiu não integrar nenhum órgão de direcção nos próximos dois anos e declarou que, se há quem no CDS queira “uma limpeza”, tem a sua cabeça: “Serei Egas Moniz (…) Já fui general, agora serei um soldado.”

O apoio de Nuno Melo a João Almeida foi justificado com o facto de este ser deputado: “Entendo que é determinante que presidente do meu partido possa debater cara a cara com o dr. António Costa.” Mas o apelo à unidade foi a tónica do discurso de Melo. “O CDS só pode ser com todos”, justificou, insistindo que o partido “é muito mais que o perfil” do “rancor ou da tendência”.

Melo defendeu ainda que o CDS “foi sempre institucionalismo, categoria, respeito, a começar pelos adversários”, mesmo os internos. E assumindo Adriano Moreira como uma das suas referências, lembrou que ele “também teve os seus carrascos”. Para garantir: “Os meus adversários políticos são o PS, o PCP e, mais recentemente, o BE.” Para logo a seguir criticar os ataques internos, dando como exemplo o facto de Cecília Meireles ter sido “chamada nas redes sociais de Cecília Mortágua”.

Referindo-se às europeias e às legislativas, Nuno Melo assumiu que o resultado “não foi, realmente, extraordinário”. Mas garantiu: “Não foi por falta de empenho.” E afirmou que não esquece assunção Cristas - “tão fácil de esquecer hoje” - para sublinhar: “Cometeu erros, certamente, mas quem não os comete.”

Sugerir correcção