Um vírus eficaz no contágio mas menos mortal que a SARS

Primeiros estudos publicados sobre o vírus que surgiu na China mostram que muitas infecções ainda não estão a ser detectadas e que está longe de conter o surto.

Fotogaleria
Criança usa uma máscara numa área comercial de Xangai, na China Reuters/ALY SONG
Fotogaleria
Trabalhadores da estação de Xangai Norte verificam a temperatura de passageiros acabados de chegar à cidade chinesa Reuters/MARTIN POLLARD
Fotogaleria
Passageira usa máscara dentro da Estação Ferroviária de Pequim, China EPA/WU HONG
Fotogaleria
Passageiros usam máscaras dentro da Estação Ferroviária de Pequim, na China EPA/WU HONG
Fotogaleria
Passageiros usam máscaras dentro da Estação Ferroviária de Pequim, na China EPA/WU HONG
Fotogaleria
Passageiros usam máscaras dentro da Estação Ferroviária de Pequim, na China EPA/WU HONG
Fotogaleria
Farmácia de Pequim, na China, com prateleiras vazias depois das máscaras respiratórias também esgotarem EPA/WU HONG
Fotogaleria
Sinal dentro de uma farmácia avisa cidadãos para usarem máscara respiratória em Pequim, China EPA/WU HONG
Fotogaleria
Passageiros usam máscaras dentro do aeroporto de Guangzhou, na província de Guangdong, China EPA/ALEX PLAVEVSKI
Fotogaleria
Passageiros usam máscaras dentro da Estação Ferroviária de Hong Kong, na China Reuters/TYRONE SIU
Fotogaleria
Trabalhador de saúde a caminho de uma vila em Hong Kong, China EPA/JEROME FAVRE
Fotogaleria
Cidadão olha para os quatros do aeroporto de Wuhan, em Hubei, China, que mostram que vários voos foram cancelados Reuters/STRINGER
Fotogaleria
Estação ferroviária de Hankou, em Wuhan, China EPA/YUAN ZHENG
Fotogaleria
A Estação ferroviária de Hankou, em Wuhan, China, está temporariamente encerrada EPA/YUAN ZHENG
Fotogaleria
Pessoal médico transporta uma pessoa que suspeitam ser portador do vírus em Hong Kong, China Reuters/Stringer .
Fotogaleria
Médicos tratam de um paciente diagnosticado com pneumonia no Hospital de Zhongnan, em Wuhan, China Reuters/Stringer .
Fotogaleria
Funcionário desinfecta carruagem em Seul, Coreia do Sul EPA/JEON HEON-KYUN
Fotogaleria
Farmácias já sem stock de alguns produtos em Singapura EPA/NG SOR LUAN/THE STRAITS TIMES
Fotogaleria
Cidadãos usam máscaras dentro de um hotel em Singapura depois de outro hóspede ter sido diagnosticado com a doença EPA/TIMOTHY DAVID/THE STRAITS TIMES
Fotogaleria
Cidadãos fazem fila para receber suplementos de vitamina C e desinfectantes em Hong Kong, China EPA/JEROME FAVRE
Fotogaleria
Testes de temperaturas em Xianning, cidade que faz fronteira com Wuhan, na China Reuters/MARTIN POLLARD
Fotogaleria
Passageiros usam máscara dentro de um comboio que vai partir da Estação Ferroviária de Xangai, na China REUTERS
Fotogaleria
Passageiros circulam num túnel subterrâneo do metro de Pequim, China REUTERS
Fotogaleria
Pequim, China REUTERS
Fotogaleria
Monitorização de temperaturas corporais no aeroporto Ninoy Aquino, nas Filipinas REUTERS
Fotogaleria
Estação de metro de Xangai, China REUTERS
Fotogaleria
Recomendações das autoridades de saúde sobre o novo coronavírus REUTERS
Fotogaleria
Passageiros circulam na Estação de metro de Pequim, China REUTERS
Fotogaleria
Pessoal médico é visto num hospital de Jinyintan, onde várias pessoas infectadas com o vírus estão a receber tratamento REUTERS
Fotogaleria
Guarda usa máscara na Estação Ferroviária de Pequim, China REUTERS
Fotogaleria
Cidadãos trabalham no local de construção do novo hospital em Wuhan, na província de Hubei, na China EPA/YUAN ZHENG
Fotogaleria
Hospital deverá entrar em funcionamento a 3 de Fevereiro EPA/YUAN ZHENG
Fotogaleria
Cidadãos trabalham no local de construção do novo hospital em Wuhan, na província de Hubei, na China EPA/YUAN ZHENG
Fotogaleria
Cidadãos trabalham no local de construção do novo hospital em Wuhan, na província de Hubei, na China EPA/YUAN ZHENG
Fotogaleria
Local de construção do novo hospital em Wuhan, na província de Hubei, na China EPA/YUAN ZHENG
Fotogaleria
Local de construção do novo hospital em Wuhan, na província de Hubei, na China Reuters/STRINGER
Fotogaleria
Hospital deverá entrar em funcionamento a 3 de Fevereiro Reuters/STRINGER

As primeiras análises ao novo tipo de coronavírus que está a levar a China a pôr várias cidades de quarentena, para tentar conter a infecção, estão a ser publicadas em revistas científicas e revelam um vírus semelhante ao do surto de SARS, em 2003, que surgiu em Guangdong, no Sul da China, embora menos agressivo, mas eficaz a passar de pessoa para pessoa. 

O Centro Europeu de Prevenção e Controlo das Doenças considerava “provável que chegasse à Europa, e os primeiros casos foram detectados em França esta sexta-feira, na zona de Paris e Bordéus.

Em estudos publicados na revista Lancet, com base em 41 pacientes em que a infecção foi confirmada por testes laboratoriais, foi confirmado que o vírus 2019-nCoV causa sintomas semelhantes à SARS (síndrome respiratória aguda grave, em português) e passa de pessoa a pessoa. Os autores sublinham que o número de pessoas estudadas é ainda muito reduzido para poder tirar conclusões definitivas.

“É difícil de compreender a taxa de mortalidade associada a este novo vírus de momento, porque estamos a detectar os casos mais graves, nas fases iniciais da epidemia, e não os mais moderados ou assintomáticos”, disse uma das chefes de equipa, Lili Ren, da Academia de Ciências Chinesa, citada pelo Guardian. Mas só 2% das pessoas infectadas morreu, disse o virologista Mark Stenglein, da Universidade do Colorado (EUA), à revista The Scientist. 

No entanto, apesar das semelhanças com a SARS, o quadro clínico causado por este vírus – que pertence a um grupo específico denominado coronavírus, que causa doenças em mamíferos e aves, e doenças respiratórias em seres humanos – aparenta já algumas diferenças. “Os sintomas não incluem o nariz a pingar, nem espirros nem a garganta inflamada ou problemas intestinais e diarreia, que afectavam 25% das pessoas que adoeceram com SARS”, explicou o autor principal deste artigo da Lancet, Bin Cao, do Hospital da Amizade China-Japão, citado também pelo jornal britânico. Mas as pessoas infectadas com o coronavírus actual sentem febre, tosse seca e falta de ar, tal como as que adoeceram com o vírus de 2003.

Uma questão crucial a apurar é quão contagioso é o vírus 2019-nCoV. Para isso, é preciso determinar a quantas pessoas, em média, cada um dos infectados transmite o vírus – um número conhecido como R0 em epidemiologia. Uma primeira análise feita por cientistas da Universidade de Lancaster (Reino Unido), posta online e que ainda não passou pelo processo de revisão pelos pares, aponta para que esse número seja de 3,8.

Se o número for superior a 1, a epidemia cresce; se for inferior, isso quer dizer que está na curva descendente. Segundo o documento de consenso da Organização Mundial de Saúde sobre a SARS, a infecção de 2003 chegou a atingir valores entre 2 e 4.

Com um R0 de 3,8, a equipa de Jonathan Read calcula que que 72% a 75% das transmissões virais têm de ser evitadas pelas medidas de controlo – como as impostas nas cidades em quarentena na China – para que os casos de infecção comecem a diminuir. “Estimamos que apenas 5,1% das infecções na cidade de Wuhan estejam identificadas, e que em 21 de Janeiro um total de 11.341 pessoas tivessem sido infectadas desde o início do ano”, escrevem.

Sugerir correcção