Cristiano Ronaldo imparável em Itália

Para o português foi o 18.º golo em 24 jogos, nesta temporada, e o 13.º nas últimas nove partidas.

Ronaldo celebra em Turim
Foto
Ronaldo celebra em Turim Reuters/Massimo Pinca

Com o 13.º golo nos últimos nove jogos, Cristiano Ronaldo abriu o caminho à passagem da Juventus às meias-finais da Taça de Itália. Nesta quarta-feira, em Turim, a equipa de Sarri bateu a Roma, de Paulo Fonseca, por 3-1, num jogo em que confirmou o estatuto de equipa muito eficaz. E não foi preciso muito futebol para vencer tranquilamente.

Este jogo mostrou uma Roma audaz e com os laterais muito projectados, mas o risco não compensou. No ataque não houve fluidez e soluções – os lesionados Dzeko e Zaniolo fazem muita falta –, e na defesa não houve equilíbrio para compensar a postura vincadamente ofensiva do “onze” escolhido por Paulo Fonseca. Desta forma, o jogo foi dividido e muito jogado a meio-campo, mas com uma Roma pouco capaz de magoar a Juventus e uma Juventus letal a magoar a Roma.

A primeira parte teve quatro remates perigosos e três deles deram golo. O primeiro, aos 26 minutos, marcado por Ronaldo, num lance individual do português, com finalização de pé esquerdo. Foi o 18.º golo em 24 jogos, nesta temporada, e o 13.º nas últimas nove partidas.

O segundo golo, aos 38’, teve finalização de Betancur (Ronaldo pedia a bola em boa posição), num lance de insistência do uruguaio e com a defesa da Roma pouco agressiva. O terceiro, aos 45+2’, teve cruzamento de Douglas Costa e cabeceamento de Bonnuci, deixado sozinho pela novamente descoordenada defesa romana. Num ápice, sem precisar de ser muito ofensiva, a equipa de Turim chegou ao 3-0, fruto da tremenda eficácia dos seus atacantes e da parca resistência dos defensores romanos.

O primeiro minuto da segunda parte teve logo a estreia da Roma em lances de perigo, numa jogada na qual ficou patente a diferença entre as equipas: Kalinic não é Ronaldo nem Higuaín e falhou, a dois tempos, uma oportunidade flagrante.

Só a ajuda da Juventus permitiu à Roma chegar ao golo. Under veio da direita para o meio e rematou à trave, de pé esquerdo, mas o azarado Buffon introduziu a bola na própria baliza, fazendo o que a Roma não estava a conseguir fazer por si mesma.

O golo levou a equipa romana a cercar a área da Juventus e, aos 55’, voltou a vacilar na finalização: foi Kluivert a falhar perante Buffon. A Roma dominou a segunda parte, mas sem conseguir criar lances de perigo suficientes para mudar o resultado.