Crítica

1917: o travelling e a questão de moral

A proeza técnica é extraordinária, mas nada há em 1917 para além disso.

,1917
Fotogaleria
,1917
Fotogaleria
,Salvando o soldado Ryan
Fotogaleria
,1917
Fotogaleria

Ficou célebre aquele artigo de Jacques Rivette nos Cahiers du Cinéma a propósito de Kapo, de Gillo Pontecorvo, e do seu travelling “imoral” que ignorava a dimensão humana da história que se queria contar em nome da precisão estética do plano. O que diria, então, Rivette de 1917 de Sam Mendes, filme que se estrutura como um imenso plano-sequência de duas horas que, em tempo real, acompanha dois soldados numa missão impossível durante a Primeira Guerra Mundial?