Unsplash
Foto
Unsplash

Megafone

Até quando podemos sonhar?

Não sei se sabes mas ainda podes perder, desconstruir, procurar o pulso a novas emoções, cortar algumas cordas do teu pára-quedas. Não sei se sabes que podes começar algo novo.

Até aos 30, sonhar é quase inato. Acalentar desejos, definir objectivos, traçar metas. O curso, a casa, o carro, as viagens, o casamento, os filhos, o trabalho estável, três ou quatro carteiras desejáveis e um par de sapatos impossíveis. Passo a passo a lista reduz-se, fazemos check e do quantificável passamos ao incalculável — à saúde, à tua e dos teus, dos antes e depois de ti.

As tuas ânsias mudam e a maioria das ganâncias desvanece-se. Em instantes, sim, porque os anos parecem correr sem lhes fazeres contas, numa sobreposição de datas e compromissos, dias emparelhados como pares de meias de cores sóbrias em gestos simétricos e automáticos. Em instantes, criamos uma rotina cómoda e apreciada, da qual despertamos raras vezes.

Mas e os sonhos? Onde ficaram os sonhos? Aquela avalanche de vontade que andava de mão dada com muitos momentos de felicidade? Onde estão as sabrinas de pontas e o trapézio esvoaçante? Em que momento da escolha ficou esquecido o instrumento que nunca aprendeste, o mar que nunca surfaste, o jardim em que nunca correste? Ficou. Ficou tudo ali meio entalado entre a preguiça, o medo, a vergonha e os mínimos de coragem. Sem riscos, tudo certinho, aceitável e espectável. Ficou ali, amorfo, no conforto do que se conseguiu e não se quer perder, até porque custou muitas horas de trabalho, de empenho, de sacrifício. Ficou naquele cantinho onde ninguém é capaz de chegar para levantar o pó, aquele lugar difícil, no vértice esquecido de uma boa sala.

E se um dia pões tudo na margem, na verdade e consequência, esqueces a razão e questionas: ainda posso sonhar? E com o que posso sonhar? Nunca serei uma primeira-bailarina, mas isso impede-me de dançar? Nem um Francis Obikwelu e será razão para não começar a correr? Não estarei nunca no Scala de Milão, mas quem me poderá tirar o prazer de cantar? De aprender? De voar? De voltar a estudar? De começar de novo ou de somar ao que já fiz?

Depois dos 40 achamos que já recolhemos alguma sabedoria, três ou quatro tombos e um exacto conhecimento do que somos capazes. Somos analistas e opinantes arrogantes, próprio de quem está a meio da tabela. Já sabemos relativizar, perdemos embaraços, equacionamos sempre, ponderamos. Damos conselhos a uns tantos de 20 e temos a perícia refinada na selecção de com quem estamos, que tempo lhes atribuímos e o seu peso na balança da nossa importância.

Preparado para viver pelo menos mais quatro décadas com toda esta altivez? Não vais mais subir a montanha porque te doem os pés e a mochila da vida te fixa? Fechar as caixinhas da tua felicidade e diminuir a intensidade das tuas gargalhadas? É isso que é expectável? Ou que se enquadra nos limites dos outros? Não sei se sabes mas ainda podes perder, desconstruir, procurar o pulso a novas emoções, cortar algumas cordas do teu pára-quedas. Não sei se sabes que podes começar algo novo. Até porque viver nunca será ridículo, nunca é tarde e faz sempre sentido.​

Sugerir correcção