Açores são o primeiro arquipélago do mundo com certificado de destino turístico sustentável

Graças aos Açores, Portugal entra para a lista de oito países com regiões certificadas pelo Global Sustainable Tourism Council. Entre a sustentabilidade e os recordes turísticos, o Governo açoriano defende que “o turismo só é bom para os Açores se for bom para os açorianos”.

Fotogaleria
Flores Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Flores Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Flores Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Flores, Alagoinha Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Flores, Poço do Bacalhau Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Corvo, o Caldeirão Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Corvo Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Corvo Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Corvo Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Graciosa, Furna do Enxofre Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Graciosa, Furna do Enxofre Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Graciosa, Miradouro da Sé Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Graciosa, o burro típico da ilha Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Graciosa Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Terceira Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Terceira Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Terceira Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
São jorge, Caldeira da Fajã de Santo Cristo, a apanhar amêijoas Manuel Roberto
Fotogaleria
São jorge Manuel Roberto
Fotogaleria
São jorge Manuel Roberto
Fotogaleria
São jorge Manuel Roberto
Fotogaleria
São jorge, caminhada para a Caldeira da Fajã de Santo Cristo Manuel Roberto
Fotogaleria
São Jorge Manuel Roberto
Fotogaleria
Faial, vista Monte da Guia Manuel Roberto
Fotogaleria
Faial Manuel Roberto
Fotogaleria
Faial, vulcão dos Capelinhos Manuel Roberto
Fotogaleria
Faial, com os olhos no Pico Manuel Roberto
Fotogaleria
Pico, a travessia de barco Manuel Roberto
Fotogaleria
Pico, currais de vinhas de lava Manuel Roberto
Fotogaleria
Pico, o icónico Cella Bar Manuel Roberto
Fotogaleria
Pico Manuel Roberto
Fotogaleria
Pico Manuel Roberto
Fotogaleria
São Miguel, baleias ao largo Paulo Pimenta
Fotogaleria
São Miguel, observação de golfinhos Paulo Pimenta
Fotogaleria
São Miguel, lagoa do Fogo Paulo Pimenta
Fotogaleria
São Miguel, plantação chá Gorreana Paulo Pimenta
Fotogaleria
São Miguel, plantação chá Porto Formoso Paulo Pimenta
Fotogaleria
São Miguel, plantação do ananás Paulo Pimenta
Fotogaleria
São Miguel, parque Terra Nostra Paulo Pimenta
Fotogaleria
São Miguel, as Furnas Paulo Pimenta
Fotogaleria
São Miguel, Dona Beija Paulo Pimenta
Fotogaleria
Santa Maria, currais de vinha, baía de São Lourenço Paulo Pimenta
Fotogaleria
Santa Maria, foz da Ribeira Grande, Cascata do lugar do Aveiro Paulo Pimenta
Fotogaleria
Santa Maria, Pedreira do Campo Paulo Pimenta
Fotogaleria
Santa Maria, zona da baía de São Lourenço Paulo Pimenta

Os Açores receberam esta quinta-feira o certificado de destino turístico sustentável, entregue pelo Global Sustainable Tourism Council (GSTC), sendo a primeira região do país e o único arquipélago do mundo a consegui-lo.

O certificado foi entregue no início do congresso anual da GSCT, que este ano leva 250 participantes de 42 países à ilha Terceira. A felicidade pela distinção era visível no rosto da secretária regional da Energia e Ambiente Turismo do Governo dos Açores, Marta Guerreiro, que recebeu o certificado das mãos de Luigi Cabrini, presidente do conselho de administração ​da GSTC, entidade formada em 2007 através de uma coligação entre 32 parceiros, que incluem a Rainforest Alliance​, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), a Fundação das Nações Unidas e a Organização Mundial de Turismo (OMT). No fundo, a GSTC procura estabelecer padrões globais de turismo sustentável.

Os Açores começaram o processo de certificação em 2017, através da criação de uma “entidade coordenadora da sustentabilidade do destino turístico” para alcançar o feito. “Foram dois anos de muito trabalho, em tempo recorde, também porque já tínhamos muito trabalho de casa feito”, destacou Marta Guerreiro aos jornalistas.

O selo é da GSTC, mas o trabalho de auditoria foi feito pela Eartcheck, a entidade certificadora, que visitou três ilhas do arquipélago, um de cada grupo: São Miguel (grupo oriental), Terceira (grupo central) e Flores (ocidental). Avaliaram um conjunto de parâmetros, como a conservação da energia, da água, a emissão de gases com efeito de estufa, a qualidade do ar, a poluição ruidosa e luminosa, a gestão dos ecossistemas, os transportes e a gestão cultural e social.

PÚBLICO - Terceira, Algar do Carvão
Terceira, Algar do Carvão Nuno Ferreira Santos
PÚBLICO - Flores, Poço do Bacalhau
Flores, Poço do Bacalhau Enric Vives-Rubio
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Entre essas áreas todas, a governante explica que o processo de certificação teve duas grandes fases: uma primeira que analisou “um batalhão de indicadores”, como investimento em políticas ambientais, políticas de preservação, taxa de criminalidade e taxa de segurança, por exemplo; uma segunda fase, onde foram visitadas várias empresas e entidades, de modo a auditar comportamentos. “Tudo isso foi escrutinado e foi isso que nos permitiu chegar aqui e ter esta certificação”, afirma a secretária regional.

Luigi Cabrini apontou os Açores como um exemplo da “boa forma de fazer turismo”: “Os Açores são um exemplo da parte boa do turismo. Um arquipélago onde até a promoção e o destino é feito tendo em conta o real valor da ilha, a cultura, o ambiente, as tradições, até a maneira de preparar queijos”, afirmou, considerando a certificação dos Açores como “um óptimo resultado”.

O certificado que os Açores recebem é de grau Silver (prata), o que significa que ainda existe um patamar “ouro” a atingir. Guerreiro diz que a região “tem condições para ambicionar mais”, que é como quem diz, procurará atingir o mais elevado grau da certificação. “Este é o primeiro (grau) que é possível alcançar quando se faz a certificação, mas, com a permanência na certificação, temos condições para ambicionar mais, não é um dado adquirido, exige trabalho”.

Tanto não é um dado adquirido que apenas é válido durante um ano. Por isso, Cabrini frisa que a certificação “é um processo em curso” e um “desafio para melhorar”. “Não podemos de todo pensar em perder essa certificação”, alerta Guerreiro.

Turismo nos Açores bate recordes

Sobretudo desde da chegada das low-cost, em 2015, o turismo dos Açores explodiu. E continua a explodir. Por exemplo, em Setembro deste ano, as dormidas em hotéis, alojamentos locais e espaços de turismo rural chegaram às 326 mil, um acréscimo homólogo de 11,9%. Números que fizeram alguns sectores da sociedade açoriana reclamar dores de crescimento.

PÚBLICO -
Foto
Graciosa NUno Ferreira Santos

Os estudantes já se queixaram da falta de alojamento (culpando a propagação de alojamentos locais) e alguns ambientalistas alertam para a necessidade de limitar os acessos a alguns pontos turísticos. Mais do que “limitar”, Marta Guerreiro frisa à Fugas que importa “gerir”, ou seja, apostar “segmentos turísticos respeitadores” do património. “Quando se duplica os principais indicadores turísticos”, diz, “é natural” que se “sinta mais em algumas localizações” e que as “pessoas questionem”.

Luigi Cabrini prevê que o número de turistas nos Açores continue a aumentar – e diz que “há espaço para isso”: “É preciso é ter uma estratégia sempre em mente para evitar o que aconteceu em outros destinos, onde a qualidade do turismo se deteriorou e os residentes sentiram mais impactos negativos do que benefícios”.

Cenário que a secretária regional quer afastar: “O turismo só é bom para os Açores se for bom para os açorianos.”

Sugerir correcção