Torne-se perito

Matos Fernandes escreve a Greta: “Estamos gratos pelo teu activismo”

O Ministro do Ambiente e da Acção Climática traçou à jovem activista sueca um retrato dos esforços nacionais na redução de gases com efeito de estufa e dos problemas que o país já enfrenta graças às alterações climáticas.

Greta Thunberg é esperada em Lisboa na próxima terça-feira
Foto
Greta Thunberg é esperada em Lisboa na próxima terça-feira LUSA/ANDY RAIN

O ministro do Ambiente e da Acção Climática escreveu uma carta a Greta Thunberg, a jovem activista pelo clima que deve desembarcar em Lisboa na próxima terça-feira, numa breve passagem antes de seguir para a capital espanhola para participar na 25.ª Conferência das Partes (COP) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Alterações Climáticas, vulgarmente designada por Cimeira do Clima. João Pedro Matos Fernandes juntou à missiva o Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050 e deixou um agradecimento.

“Estamos gratos pelo teu activismo, como forma de sensibilizar todos, gerações novas e velhas, para o maior desafio dos nossos tempos”, despede-se o ministro, na carta escrita em inglês e que foi enviada por correio electrónico na passada quinta-feira.

Antes, Matos Fernandes traça à jovem activista que, em Agosto de 2018 iniciou, sozinha, uma greve às aulas pelo clima e se tornou no rosto mais simbólico da luta pela acção climática, um retrato dos esforços do país na redução de emissões e também dos principais problemas que está já a enfrentar.

“Querida Greta, bem-vinda a Portugal, o primeiro país do mundo a comprometer-se com a neutralidade carbónica em 2050 e que está a apostar toda a sua ambição na década entre 2020 e 2030”, começa por escrever o ministro do Ambiente, apresentando em seguida alguns dados sobre o que já foi conseguido: 54% da electricidade consumida no país já é obtida através de fontes renováveis; há projectos em curso para encerrar as duas centrais termoeléctricas de carvão em 2021 (Pego) e 2023 (Sines); há uma “aposta forte” em redução as emissões do sector dos transportes em 40% em 2030; nesse ano iremos alcançar 50% de redução de emissões de gases com efeito de estufa e 47% de toda a energia consumida no país será proveniente de fontes renováveis, explica Matos Fernandes.

Depois, a jovem sueca de 16 anos (que já leu a missiva, segundo fonte do ministério) pode ficar a conhecer alguns dos efeitos que o país já está a sentir por via das alterações climáticas, com o ministro a escrever que Portugal é mesmo “um dos países europeus que mais sofre as consequências” dessas alterações. “Como resultado da subida do nível do mar nos anos recentes, já perdemos 13 quilómetros quadrados das nossas áreas costeiras. No sul do país, a seca é crónica e ainda precisamos de saber como vamos adaptar o nosso uso de recursos” a esta realidade, escreve Matos Fernandes. Por isso, frisa o governante: “Temos uma estratégia de adaptação nacional à mudança climática muito ambiciosa, que estamos a seguir rigorosamente, uma vez que para Portugal isto já é um problema actual, não um problema de futuro”.

A chegada do veleiro que transporte Greta Thunberg a Lisboa está prevista para a próxima terça-feira. A jovem deverá participar num evento com activistas, à chegada, mas é pouco provável que aceite o convite para falar na Assembleia da República, já que deverá permanecer em Portugal apenas o tempo suficiente para descansar antes de seguir para Madrid, onde esta segunda-feira começa a COP25. Em cima da mesa está a possibilidade de alguns membros do Parlamento se deslocarem ao Porto de Lisboa, para contactarem com a activista sueca.

Em Madrid, Greta deverá juntar-se a milhares de activistas de todo o mundo que participarão numa manifestação pelas ruas da capital espanhola, marcada para o final da tarde de sexta-feira.

Sugerir correcção