Esta sexta-feira, 29 de Novembro, os jovens saíram à rua em várias cidades do país. Imagem da Greve Climática de Lisboa.
Foto
Esta sexta-feira, 29 de Novembro, os jovens saíram à rua em várias cidades do país. Imagem da Greve Climática de Lisboa. Nuno Ferreira Santos

Clima: portugueses acreditam que protestos podem gerar novas políticas

Segundo dados do Eurobarómetro, 52% dos portugueses manifestam preocupação com as alterações climáticas e 66% dos inquiridos acreditam que os protestos juvenis podem levar à adopção de medidas pelos decisores políticos do país.

Mais de 60% dos portugueses inquiridos num questionário divulgado esta sexta-feira, 29 de Novembro, considera que os recentes protestos de jovens pelo clima motivam acção política, tanto a nível nacional como europeu, com 52% a manifestarem preocupação com as alterações climáticas.

Em causa está um inquérito conduzido pelo Parlamento Europeu e focado na questão das alterações climáticas, para o qual foram entrevistados presencialmente, entre os dias 8 e 22 de Outubro, 27.607 cidadãos dos 28 Estados-membros da União Europeia (UE) com 15 ou mais anos, numa média de quase mil pessoas em cada país.

No caso de Portugal, 66% dos inquiridos consideraram que os recentes protestos juvenis contra as alterações climáticas — como os que estão a decorrer esta esta sexta-feira, um pouco por todo mundo — podem levar à adopção de medidas pelos decisores políticos do país, enquanto 68% afirmaram acreditar em influência nas decisões europeias.

Os manifestantes em Lisboa associaram-se a mais uma Greve Climática Global em defesa do planeta, que se está a realizar em cidades de todo o mundo. Em toda a UE, quase seis em cada dez entrevistados neste Eurobarómetro disseram acreditar que os protestos contra as mudanças climáticas liderados por jovens têm impacto nas medidas políticas, tanto ao nível comunitário (59%) como a nível nacional (58%).

Por país, os cidadãos portugueses foram os quintos a acreditar mais neste tipo de influência, logo atrás dos irlandeses, dos suecos, dos cipriotas e dos dinamarqueses. Quanto às questões ambientais que mais preocupam os inquiridos portugueses, mais de metade (52%) apontou as alterações climáticas.

O inquérito foi divulgado dois dias antes de se iniciar, em Madrid, a 25.ª Conferência das Nações Unidas Sobre as Alterações Climáticas (COP25), no qual participarão líderes europeus como a presidente eleita da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que entretanto entra em funções, e o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli. Portugal estará representado na abertura da cimeira pelo primeiro ministro, António Costa

A cimeira do clima vai contar com a presença de Greta Thunberg, a jovem que aos 15 anos trocou as salas de aula pelo passeio em frente ao parlamento sueco, onde se começou a manifestar para exigir medidas políticas de proteção do planeta. Antes de se deslocar para Madrid, a activista sueca passa por Portugal.

Em Madrid, à margem da COP25, está prevista uma manifestação juvenil a 6 de Dezembro. Desde Agosto de 2018 até agora, já participaram jovens de 6,6 mil cidades de 223 países, segundo o site oficial do movimento Greve Global pelo Clima.