Adriano Miranda
Foto
Adriano Miranda

Batalha cria abrigos para controlar colónias de gatos

São dois os novos abrigos criados para acolher os cerca de 30 gatos abandonados na vila da Batalha. “Objectivo é não haver gatos sem-abrigo na Batalha”, diz o presidente da câmara.

O município da Batalha apresentou esta terça-feira, 19 de Novembro, os dois abrigos criados para acolher cerca de três dezenas de gatos abandonados na vila, com o objectivo de controlar esta população e garantir o bem-estar animal. “Esta medida facilita a captura dos gatos para esterilização e integra a política do município de controlo das colónias de gatos existentes”, anunciou o presidente, Paulo Batista Santos.

Com um investimento de “menos de cinco mil euros”, o autarca garantiu que o “objectivo é não haver gatos sem-abrigo na Batalha”, destacando ainda que foram criados dois abrigos na vila para “controlar duas colónias de gatos, cerca de três dezenas que estão identificados”.

Estes espaços vão permitir “alimentá-los com maior facilidade e com qualidade, bem como executar a política de controlo através das medidas sanitárias para que esta população não cresça desmesuradamente”. “O nosso abrigo de gatos na Batalha dá um sinal de que é possível os gatos conviverem no seu habitat natural com as pessoas, sem haver perturbação daquilo que é o bem-estar dos animais. Tivemos a colaboração do município de Almada, que já tem um projecto idêntico, e iremos criar mais abrigos se o processo resultar”, afirmou Paulo Batista Santos.

O veterinário municipal, António Esteves, acrescentou que os abrigos se integram “na campanha de capturar, esterilizar e devolver os animais ao seu habitat”, facilitando assim o controlo do crescimento desta população.

Paulo Batista Santos explicou que serão, sobretudo, cidadãos voluntários que vão cuidar dos gatos, à semelhança do que já sucede actualmente. “Temos cuidadores informais, a quem agradeço muito, que alimentam e sinalizam os animais. Se houver problemas, intervimos. O nosso pessoal também colabora na alimentação.”

O autarca esclareceu ainda que “todos os voluntários municipais são cobertos por um seguro desde que queiram passar da fase de informalidade para a fase formal”, pelo que podem inscrever-se e garantir alguns benefícios “até porque alguns destes animais estão em estado quase selvagem”.