José Mário Branco, um gigante que se foi da lei da morte libertando

Cantor, compositor, arranjador, produtor, José Mário Branco marcou mais de uma geração com a sua imensa capacidade de elevar a música aos patamares mais altos da arte. Morreu subitamente aos 77 anos, quando ainda teria muito para dar às causas que tanto amou.

Foto
Em Mudar de Vida (2007) Jorge Miguel Gonçalves/NFactos

Numa das muitas canções que escreveu, Amor gigante, José Mário Branco descobriu certo dia um novo sentido, ao gravá-la. Escrita para a peça Gulliver, do grupo de teatro A Barraca, ele viu na paixoneta de Gulliver por uma menina do país dos gigantes, retratada em Amor gigante, a relação dele próprio com a música e também com a utopia, “essa revolução a que todos aspiramos e que não se sabe bem o que é”. Era ele o “pequenito amante” e a menina gigante era a música. Só que as muitas vozes que agora se ouvem a lembrá-lo, a sua vida, a sua obra, indicam algo diferente: o “pequenito amante” na verdade agigantou-se, namorou a música e fez-nos a todos mais felizes.