Governo diz que não há condições para reabrir estrada de Borba em segurança

Quem mora em Borba e Vila Viçosa diz que gostava de ver aquela estrada reconstruída, mas o Governo assume que “não há condições” para que tal possa ser feito em segurança.

Foto
O troço da EM 255 que ruiu, causando cinco mortos Rui Gaudencio

O ministro do Ambiente disse esta segunda-feira não existirem condições de segurança para reabrir a estrada municipal 255, que liga Borba e Vila Viçosa, e que há um ano ruiu numa zona de pedreiras, causando cinco mortos.

“A vontade política não se sobrepõe às questões de segurança, nem neste caso à geologia. Não há condições para reabrir aquela estrada”, disse João Pedro Matos Fernandes no final da sessão de apresentação sobre a execução do Plano de Intervenção nas Pedreiras em Situação Crítica. 

Na semana passada, alguns moradores de Borba e de Vila Viçosa revelavam ao PÚBLICO que gostavam de ver aquele troço de estrada reconstruído. O presidente da junta de Pardais, Inácio Esperança dizia que era “lamentável” que ninguém dissesse que é necessário reactivar aquela estrada. 

Matos Fernandes disse ainda que naquelas duas pedreiras – uma estava a funcionar no momento do acidente; a outra tinha a actividade suspensa – o mais provável é que alguns blocos de pedra que estão na zona do desabamento tenham mesmo de ser retirados. O projecto de intervenção naquelas pedreiras já foi apresentado e é um dos “mais complexos”, notou o ministro. “Os taludes que estão na proximidade do local onde aconteceu a ruptura estão ainda instáveis. É até perigoso ir lá fazer as análises necessárias para se poder concluir com o rigor o projecto”, continuou Matos Fernandes, justificando assim porque não acredita que a estrada possa ser reaberta.